Sou brega mas sou feliz!

27 set

Pequenos eventos que vivi me inspiram nesse post. Sempre me observo muito e também observo o mundo ao meu redor (atenção, observar é diferente de julgar) e, em diferentes situações na última semana, o tema autenticidade chegou até mim! Hoje, conversando com uma amiga falava que, para mim, a liberdade maior que posso querer/ter é a de ser autêntica comigo mesma e, logo, a maior liberação na vida de uma pessoa é ela ser autêntica consigo mesma!

 Tudo começou com um aluno que vai em uma das aulas de yoga que frequento. Ele está em seus 40, é baixinho e fora de forma, mas isso não o impede de praticar a aula em um sexy, curto e justo shortinho preto, e só! Eu admiro muito ele! Ele está super confortável e feliz do jeito que é e nem um pouco preocupado com seus quilos a mais ou os pelos à mostra! Ele é genuíno com quem é e está sempre de bom humor e concentrado na aula!

 A outra situação aconteceu no sábado quando tive uma festa para ir e decidi que ia de bota, pois amo usar botas de cano alto, faz parte de quem sou, e me sinto confortável com elas. Meia hora depois, vejo no Facebook uma amiga comentando que não entendia como as mulheres conseguiam usam botas em Miami (ok, aqui não faz frio ainda, mas eu não disse que uso botas para proteger meu pés…)! Achei divertidíssimo e disse a ela que eu usava porque adorava e que mais tarde (na festa) ela me veria em um autêntico par de botas. Chegando lá rimos juntas, mas eu realmente era a única usando bota no local! Mais de 90% da mulherada estava linda e fina em seus saltos agulhas (que eu já desisti de usar, pois acabam com meus pés)!  

 Concluindo, eu e meu colega do shortinho preto fomos autênticos em nossa decisão (e as meninas de salto alto autênticas com a delas)! Penso que quanto mais julgamos menos autênticos somos, pois estamos sempre preocupados com a opinião do outro e isso poda nosso verdadeiro eu… Penso o quanto isso custa na vida de cada um… Penso no quanto as pessoas seriam mais felizes se realmente vestissem o que querem, falassem o que pensam e agissem de acordo com seus corações… Eles teriam autenticidade e genuinidade (essa palavra existe?) em suas vidas! Tão simples e tão negligenciadas… Então minha dica é essa: faça dessa semana a mais autêntica de toda a sua vida! Aja de acordo com seu caráter (respeitando/não agredindo o próximo, claro) e seu coração! Não tenha medo de inovar e de falar/ser/agir de acordo com quem você realmente é!!! A vida é muito curta para se preocupar com o que os outros pensam!! Beijo no coração e Namaste!!

 PS: coincidência ou não, ao terminar esse texto liguei a TV estava passando um programa mostrando a vida de um homem casado com três mulheres! Todas elas aprovam a situação, moram juntas e se chamam de irmãs, pois convivem em paz e felizes!! Mais uma prova de como a autenticidade vale a pena, mesmo em casos exóticos aos olhos da sociedade!!

Anúncios

8 Respostas to “Sou brega mas sou feliz!”

  1. Fabi Marques 27 de setembro de 2010 às 12:03 pm #

    hahaha, adorei. Aliás adoro vc e suas botas. Beijos

  2. Lívia Komar 27 de setembro de 2010 às 9:46 pm #

    Autenticidade = personalidade. E ponto.

  3. Silvinha 27 de setembro de 2010 às 10:47 pm #

    Concordo! 😀 Todos fazem graça das minhas mil amadas câmeras que andam comigo na bolsa pra todo canto. 😛

  4. ony2005 28 de setembro de 2010 às 12:53 pm #

    Boa tarde Lívia, acredito que esse seja o nome correto.

    No meu caso a situação foi um pouquinho diferente. Durante todo o período escolar senti na pele o Bullying, apesar de ser ainda um adolescente sempre tive os peitos avantajados, isso talvez por causa dos meus genes e talvez pelo fato de ter sido sempre o gordinho da familia.

    Pra mim era deprimente voltar para casa e perceber que o uniforme que usava era o mesmo das meninas, com isso percebi através desse padrão meu peitos acabavam sendo até maiores do que os delas. Isso foi sendo levado com muita tristeza escondida e com atitudes geradas pela raiva interior. Depois de muito tempo bati em alguns e assim conquistei meu respeito por mais falso que ele podia ser.

    Hoje não converso com praticamente nenhum colega daquela época e quando os vejo apenas digo oi e tchau. Apesar disso ainda continuo sendo da mesma forma, mas hoje com uma atitude bem mais convincente.

    Em 2009 encontrei um podcast chamado Papo de Gordo, fui ouvir pensando que mais uma vez o tema seria julgado com gozações e falta de respeito. Pra minha surpresa conheci um pessoal muito bacana que tinha orgulho de ser assim e que acima de tudo tinha consciência de que ser gordo não é ser doente, afinal qualquer gordo pode ser feliz, respeitado e ao mesmo tempo saudável.

    Acho que tudo se resume no que você mesma disse. Autenticidade é a nossa personalidade, seja isso representado pela roupa, pelos acessórios ou até mesmo pelo seu corpo.

    Parabéns pelo post, se puder me visite no Clictec, seria interessante formar uma parceria.

    Abraços.

    • Lívia Stábile 29 de setembro de 2010 às 10:59 am #

      Olá! Obrigada pelo seu depoimento! Muito tocante e verdadeiro! Fico feliz em saber que você encontrou seu caminho! TEntei entrar no seu site, mas não consegui! Você pode passar o endereço? Obrigada pela leitura! Abraço

  5. Guilherme Leme 30 de setembro de 2010 às 11:42 am #

    Muito bom, Lívia! Muito bom! Adorei tudo o que disse… 🙂

  6. pin 4 de outubro de 2010 às 2:04 pm #

    A-DO-REI. reflexão que só podia ter vindo de vc. beijos da pin com botas, hehehe… 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: