Moms just wanna have fun?

2 dez

Eu já fui da balada no sentido mais positivo que essa constatação possa ter. Curtia sair, dançar até os pés doerem, me arrumar, ficar bêbada alegre ( ou não beber e ficar alegre também), esticar a noite até o dia seguinte. Muitas vezes fui uma das últimas a ir embora, eu era realmente muito animada. Mas tudo muda o tempo todo, como já cansamos de dizer aqui.

E quem tem filhos pequenos sabe o quanto é difícil pegar uma balada. Pra não dizer impossível. Então, quando surge uma oportunidade, a gente se joga mesmo com toda empolgação do mundo. Sábado foi aniversário de 30 anos da minha comadre e ela resolveu comemorar com uma festa anos 80. A última vez que fui a um evento temático eu tinha 20 anos, portanto adorei a ideia. Estávamos precisando de um tempo para nós, sem pensar em filho, apenas nos divertindo e bebendo. Era hora de eu deixar meu lado mãe guardado na gaveta e voltar a ser a party girl, só por algumas horas.

Quem lê esse blog com freqüência já sabe que quando eu era criança adorava me fantasiar de Madonna no filme Procura-se Susan desesperadamente. Adivinha com qual roupa eu fui à festinha? Até meu marido, que odeia essas coisas, entrou no clima. Então me dediquei à escolha da roupa da festa como se fosse noiva para um casamento. Me maquiei como há tempos não fazia e cometi a ousadia de colocar uma botinha de salto alto (depois que virei mãe aposentei os saltos, já que correr atrás de filho espoleta requer agilidade e conforto, daí é rápido pra desacostumar a se equilibrar neles). Consegui a melhor baby sitter do mundo, minha mãe! Deixe-a colocar o Gael para dormir e parti, com um apertinho no coração, pois ele estava um pouco doente. Mas minha mãe cuidou bem de mim, vai saber cuidar dele também – afirmei mentalmente pra me livrar da culpa.

Já a caminho da festa senti meu estômago embrulhar. Exatamente na hora em que eu me decidia a tomar litros e litros de vodka. Eu estava psicologicamente preparada para um porre. Mas senti que aquilo havia sido um aviso pra eu pegar leve e ficar na cerveja. Obedeci, não discuto muito com meu sexto sentido. Quando cheguei à festa, percebi que eu talvez tivesse sido a única que conseguira uma baby sitter de última hora. Estavam todos meus amigos com os filhotes no colo ou correndo pelas mesas. Segurei dois nenês por um bom tempo, corri atrás da minha afilhada algumas vezes e quando cansei, decidi que estava na hora de entrar no clima party e beber. Depois de umas quatro cervejas, meu pé começou a doer de modo insuportável (maldito salto) e resolvi sentar. Até porque, vamos combinar que cerveja não é a bebida mais empolgante do mundo né? Cerveja é boa pra tomar sentada em bar e não dançando em festa, mas enfim. RPM começou a tocar, procurei meu marido pra dançar ( não que ele dance, mas ao menos me faz companhia) e o encontrei brincando com uma bebezinha linda, que ensaiava os primeiros passos. Ela era a coisa mais fofa do mundo, admito, ainda assim dei aquele olhar “hoje não” pra ele, mas não funcionou. Fui descaradamente trocada por uma mulher mais nova. Mas eu ainda estava decidida a deixar meu lado mãe engavetado, certo? Mesmo sozinha.

Peguei a quinta cerveja e me aproximei de uma rodinha de mulheres. Passados alguns minutos, estávamos discutindo alegremente qual o melhor momento para se ter um segundo filho e as dificuldades de fazer uma criança dormir á noite toda. Nesta hora percebi que a sexta cerveja não ia descer redonda e que se eu tivesse um pouco de sorte e determinação conseguiria ir embora calçando as botas (e não descalça como eu desesperadamente gostaria). As crianças já tinham ido embora, junto com minha animação e arrastei meu marido porta afora. Deu saudade do meu filho.

Ao chegar em casa, sóbria graças a Deus, dou de cara com minha mãe de pé. Gael tinha acordado assustado e ensopado de suor e ficou me chamando por horas. Só voltou a dormir na cama com eles. Joguei as botas na sala, arranquei a roupa e os apetrechos todos com mais rapidez que adolescente na primeira vez e voei para acudir meu pequeno. Dormimos juntinhos.

Resumo da ópera: difícil retomar o caminho do pé na jaca quando se tem filhos pequenos. E impossível deixar o lado mãe dentro da gaveta, pelo menos por enquanto.

Ah, fiquei sem graça de colocar uma foto minha aqui. Mas a fofa da Gabi Yamada me publicou no post dela de hj, passa lá pra ver: www.gabrielayamada.blogspot.com

Anúncios

7 Respostas to “Moms just wanna have fun?”

  1. Lívia Komar 2 de dezembro de 2010 às 8:58 pm #

    Meu relógio biológico as vezes pede pra eu viver tudo isso. Às vezes não.
    Mas sei que deve ser a coisa mais linda do mundo chegar em casa e ver aquela miniaturinha com saudade.
    Espero que ele esteja melhorzinho…

    • Fabi Marques 2 de dezembro de 2010 às 9:08 pm #

      Eu acho que a maternidade aconteca na hora que tem que ser! Sempre há o lado chato, como em td aliás, é engraçado analisar. Mas não troco minha miniaturinha por nada que já vivi! Beijos ( ele sarou, gracias)

      • Luís 3 de dezembro de 2010 às 9:38 am #

        Putz, eu ainda nem tenho filho e já não tenho mais pique nenhum para balada (acho que nunca tive, na verdade). Mas eu acho que todo esse “sacrifício” tem um lado bom, que nenhuma balada pode oferecer. Aproveite!

  2. Fabi Marques 4 de dezembro de 2010 às 1:48 pm #

    Estou aproveitando!

    • Thalita Araújo 5 de dezembro de 2010 às 12:09 am #

      Adorei o texto! Acho que pé na jaca – e no salto – com equilíbrio (de todas as formas, rs) só quando a “cria estiver criada”. Pelo menos lá em casa foi assim… filhos tranquilamente fora de casa, pais voltando a curtir algumas coisas que não faziam há tempos.. Enquanto isso vc tem outras lindas diversões!

  3. sueli 6 de dezembro de 2010 às 10:33 pm #

    Fabi -me vi em vc, não quando fui para balada mas quando fui fazer um parto….o que era frequente até que desisti…não dos filhos mas sim de fazer partos..deixei para os homens…afinaltudo tem seu tempo para começar e acabar não é?-adoro seus textos! bjs!!!

    • Fabi Marques 6 de dezembro de 2010 às 10:44 pm #

      Ai tia que honra! Saudade viu? Um beijao

      Enviado via iPhone

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: