Do divã para a academia (ou o colchonete): a terapia da atividade física

21 fev

Encaramos toda e qualquer atividade que fazemos  da mesma forma que encaramos nossa vida. Se você acha seu trabalho penoso é porque provavelmente também encara a vida como difícil e repleta de problemas. Se você acha estudar um pé no saco, provavelmente você vê o aprender como algo não importante na sua vida… Não seria diferente com as atividades físicas que você escolhe fazer: elas dizem muito de você e de como você encara sua realidade. Se você é criativo, provavelmente vai adorar dançar. Se gosta de aventura, escalar, rapel, arvorísmo são seus preferidos… Se tem muita energia para por pra fora, correr ou artes marciais são uma maravilha! Focando na atividade física, o importante é passar a ter consciência dessa ligação e usar ela a seu favor… Como? Senta que lá vem história!!

Tenho mais facilidade em explicar minhas teorias usando minha experiência, então lá vou eu falar de yoga novamente! Yoga significa união, ou melhor, unir seu corpo, sua mente e seu espírito e alcançar a auto-realização por meio dessa união. Muitos não sabem, mas a prática física da yoga, as posições (ou Asanas em Sânscrito), são apenas um dos braços dessa filosofia de vida. Os asanas existem principalmente para preparar o seu corpo para meditar, removendo energias bloqueadas e permitindo que você possa ficar confortavelmente sentado por horas!! Infelizmente, a parte física da Yoga ficou mais famosa que os outros 7 braços dela, no entanto, mesmo focando apenas nesse aspecto é possível aprender e desenvolver sua consciência!

Como? Bem, durante uma aula de yoga você vai encarar a prática exatamente como encara sua vida: se você tende a ser preguiçoso (a), provavelmente fará o mínimo esforço possível durante os exercícios, esperando ansiosamente pelo relaxamento final. Se você é distraído (a), vai passar a aula toda no seu mundo da fantasia e não vai nem lembrar quais foram os exercícios que você fez durante a aula. Se você é mega disciplinado (a), vai se dedicar totalmente, contraindo mais músculos do que precisa, tendo o rosto tenso, fazendo mais esforço do que o necessário… E por aí vai.

O lado bom dessa história toda surge quando você toma consciência do que precisa mudar na sua vida (para ser mais feliz) e começa a aplica essa mudança nos pequenos detalhes, como na sua atividade física! Logo, se você não quer mais ser preguiçoso, você passará a realmente fazer o esforço físico e trabalhar seu corpo durante a aula. Se você é distraído, vai se dedicar a ficar concentrado na aula e não deixar-se levar pelos devaneios mentais. Já o disciplinado vai permitir-se relaxar e não levar tão a sério sua prática, abrindo espaço para a flexibilidade.

Para mim, a prática hoje tem um sentido bem diferente do que tinha. Eu pratico os exercícios físicos muito menos pelo aspecto físico (que são lindos de ver, mas não garantem que ninguém será mais feliz fazendo-os) e muito mais para o meu auto-conhecimento. Sinto meu corpo, observo meus pensamentos, me entrego à respiração e vou descobrindo mais e mais quem sou… Eu trago para minha prática aquilo que preciso e quero fomentar na minha vida. Também passei a ofertar minha prática a Deus. Sim, meus caro, eu ofereço minha prática a ele (ou ela, ou o que quer que você acredite), praticando a entrega… Pois, quando entregramos, eliminamos o ego, expectativas e julgamentos. Tudo flui melhor e nos aceitamos muito mais… Claro que não é sempre que consigo, mas sigo praticando. Para mim, os asanas são uma forma de busca do meu eu mais profundo e divino.

Faço o convite para você fazer o mesmo com sua atividade física preferida, seja ela qual for! Tente sair do convencional e aplicar nela aquilo que você quer trazer para os outros aspectos da sua vida!! Além de ser divertido, irá te dar uma nova percepção de quem você é e de como você encarar a vida! Depois me conta como foi! Beijo e Namastê.

Anúncios

5 Respostas to “Do divã para a academia (ou o colchonete): a terapia da atividade física”

  1. Telma 21 de fevereiro de 2011 às 1:49 pm #

    vou ler já já; o título caiu q nem uma luva na minha mente!!!!! rsrrsrs Sinto que é isso o que preciso. Após ler vou comentar. bjs queridona

    • Lívia Stábile 21 de fevereiro de 2011 às 7:43 pm #

      SAudade TElmê! E o que vc achou? bjo

  2. Fabi Marques 21 de fevereiro de 2011 às 1:56 pm #

    Ai amiga, tem horas que seus textos me dão uma cutucada dura, rs. Eu pratico yoga, mas estou looonge de conseguir me entregar. Nem tento, pra ser sincera. Mas um dia eu chego lá. Tudo tem sua hora né? Estou no início do caminho! Beijos e namastê

    • Lívia Stábile 21 de fevereiro de 2011 às 7:42 pm #

      Amiga, segue praticando! Eu também demorei para encarar de outra forma… É tudo natural… faz parte!
      beijossss

  3. Roberta Barbosa 23 de fevereiro de 2011 às 10:14 pm #

    Sempre bom ler seus textos… eles incentivam reavaliações muito muito positivas! Beijo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: