Arquivo | setembro, 2014

Relato do MEU parto – Fabiana e Otto

16 set

otto

Exatas quatro semanas após o nascimento do Otto, consigo sentar para escrever o relato. Coisa que não consegui fazer com o Gael, nem tantos anos depois. É impossível falar de um parto sem pensar no outro.  Seis anos atrás eu era apenas uma menina que queria muito ter parto normal  em uma cidade onde isso era quase impossível na rede privada. E eu nem sonhava muito com humanização, eu só queria conseguir parir meu filho no dia em que ele quisesse nascer e sem precisar cortar camadas e camadas da minha barriga. Isso eu consegui, e já foi suficiente para que eu me sentisse vitoriosa.  Tanto que apaguei das lembranças todas as intervenções ( e violências) desnecessárias, pra guardar apenas o que me importava na época: eu consegui! Bendita memória seletiva!

Então veio a segunda gravidez e após anos sendo ativista do parto normal, havia chegado a hora de conseguir o parto dos meus sonhos.  Igualzinho a todos aqueles relatos que eu sempre lia com lágrimas nos olhos. Eu estava decidida, não só eu iria parir meu filho quando ele quisesse nascer, mas eu seria a protagonista desse momento! E ai de quem tentasse me impedir!

Em um primeiro momento, eu e meu marido chegamos a cogitar o parto domiciliar. Mas após muita reflexão, percebemos que não teríamos coragem e buscamos uma segunda opção. Ribeirão agora era uma cidade com alguns médicos humanizados e escolhemos o que nos pareceu mais dedicado à causa. Entretanto, o doutor estaria fora da cidade justamente quando eu completasse 39 semanas e algo me dizia que o Otto decidiria nascer justamente nesse período. Então fomos conhecer a maternidade da Casa de Saúde de São Carlos,  e imediatamente nos apaixonamos pela estrutura humanizada do hospital, pelas enfermeiras e pelo médico.

Completei  39 semanas em uma quinta-feira. No final de semana perdi o tampão,  era um sinal de que meu corpo estava se preparando para o dia D, mas eu já sabia que isso ainda podia levar dias ou semanas. No começo da noite de domingo comecei a sentir contrações fortes. Não eram mais “treinamento”, eram reais. Após algumas horas elas ainda não tinham pegado ritmo e começaram a esvanecer. Falei com a Helena, minha doula, que me alertou que deveriam ser os pródomos e me sugeriu  tomar pulsatilla ( homeopatia) porque se fosse TP mesmo, elas engrenariam e se não fosse, elas espaçariam. E elas espaçaram. ..

Fiquei bem frustrada com esse alarme falso e resolvi tirar a segunda-feira de folga. Juliano passou o dia comigo, passeamos de carro,  fomos ao super mercado e abastecemos a casa. Sentia as contrações o dia todo, mas como eram leves e desritmadas, ignorei-as.  À noite elas ficaram mais fortes, mas não contei para ninguém com medo de mais um alarme falso. Depois de uma hora elas continuavam e mais fortes, comecei a contar e os intervalos eram de 7 , 8 minutos. Avisei a doula que me mandou parar de contar e tentar dormir. Frustração tomou conta de mim de novo e tentei dormir. Mas não dava. Elas doíam. Meu marido tinha acabado de dormir e a Helena também. Eu não queria acordá-los para um alarme falso, então entrei no chuveiro para ver se melhorava. Devo ter passado uns 20 minutos debaixo da água quente e eu sentia que elas só aumentavam. Foi aí que “desobedeci “ a doula e voltei a contar: 5 em 5 minutos. Eu comecei a tremer e senti que não havia mais dúvidas: era a hora! Acordei o Juliano  e pedi pra ele ligar pra Helena. Mal consegui falar com ela no telefone e ela apenas disse: estou indo praí, arrume suas coisas que já vamos pra São Carlos. Tive uma descarga de adrenalina e comecei a tremer muito.  Minhas coisas já estavam arrumadas então liguei para minha mãe vir de Rio Preto para Ribeirão, ela ficaria com o Gael meu filho mais velho, e chamamos minha cunhada pra  ficar com ele enquanto ela não chegasse. Era uma da manhã e embora eu tivesse inicialmente a intenção de levá-lo conosco para São Carlos, acabei achando que eu ficaria mais à vontade sem ele por perto. Sábia decisão!

A doula chegou e colocou uma cinta com bolsa de água quente nas minhas costas o que aliviou muito a dor das contrações, montamos no carro e fomos. Pedi para colocarem uns mantras para tocar na viagem e me conectei com o que estava acontecendo.  O trajeto até São Carlos  durou uns 40, 50 minutos e nesse período tive apenas umas 3 ou 4 contrações. Temi que fosse outro alarme falso, mas acho que foi apenas providência divina mesmo.

Chegando ao hospital senti as contrações voltando a se intensificar, demos entrada e a enfermeira obstétrica fez um exame de toque: 4 cm de dilatação. Não era muita coisa, mas era ALGUMA coisa e fiquei feliz. A enfermeira me avisou, “olha vai demorar, então não fique ansiosa”. Mas em algum lugar dentro de mim eu senti que ela estava enganada.

Eram 2h30 da manhã quando entramos no quarto. A Helena fez a iluminação ficar mais fraca, colocou minha playlist pra tocar e enquanto ela e o Juliano descansavam um pouco, eu tentava me concentrar o quanto pudesse. Eu queria vivenciar aquele momento por inteiro, eu respirava fundo a cada contração e sentia prazer ( sim, prazer) em assistir meu corpo trabalhando para trazer meu filho ao mundo. Depois de não sei quanto tempo ( eu abandonei meu celular, relógio e etc) comecei a me mexer, andar de um lado para o outro, quando senti minha bolsa estourar. Saiu tudo de uma vez, cataploft no chão, e muita água. Encharcou meu vestido e eu não tinha levado nenhuma outra roupa!! A doula me avisou que agora as contrações iam realmente começar a pegar força e ritmo. Resolvi ir para o chuveiro e passei um bom tempo por lá, a água quente aliviava a dor, sentei um pouco na bola debaixo do chuveiro, mas não conseguia encontrar uma posição que realmente me relaxasse.  Eu queria entrar na banheira e pedi que a enchessem. A dor começou a ficar mais intensa e eu vocalizava muito em cada contração.  Mas sentia que me faltava o ar ( o quarto estava quente demais também por causa da banheira sendo enchida) e isso começou a tirar meu foco. Coloquei um roupão e pedi pra sair do quarto, eu precisava tomar ar. Eu gritava durante as contrações e comecei a ficar aflita por estar fazendo isso no corredor do hospital.  E resolvi voltar para o quarto. Eu já não sabia quanto tempo tinha passado e resolvi me concentrar  com mais afinco para controlar a dor, já que eu não tomaria anestesia.  Mudei a “tática” e ao invés de gritar nas contrações, eu respirava fundo e repetia mentalmente, “a dor não me controla, eu controlo a dor”, até que a onda de dor se fosse. Eu fechava os olhos e era como se estivesse dentro  de mim mesma.  Funcionou.

Não sei quanto tempo passei assim, mas quando abri os olhos vi que amanhecia e pedi para o meu marido ficar perto de mim. Eu queria e precisava sentir sua companhia e seu amor, afinal, esse momento era dele também! Depois de um pouco de carinho, voltei a ficar introspectiva e a focar em controlar as dores das contrações, cada vez mais próximas e  intensas. Entrei naquilo que chamam de partolândia e tenho apenas fragmentos de memórias do que aconteceu então. Sei que em determinado momento implorei à doula que me deixasse entrar na banheira, ela relutou, pois achava que ainda era cedo e podia atrasar o trabalho de parto, mas eu fui firme e disse que queria mesmo assim. Então, entrei… E por 10 minutos tive um alívio imenso, cheguei a cochilar, até que fui despertada por uma vontade incontrolável de fazer força. Aquilo me assustou. Eu estava preparada psicologicamente para as contrações, mas para o puxo , não. No parto do Gael eu estava anestesiada e não senti absolutamente nada de vontade de empurrar. Aquilo era novo para mim e, francamente, bem assustador… Helena correu para chamar o médico ( sim, ele não estava na sala até então e nem precisava estar…) e as enfermeiras me davam palavras de apoio. O Juliano se sentou por trás de mim, fora da banheira e eu senti novamente aquele desejo de fazer força. E senti dor, muita dor, mais dor do que eu jamais havia sentido antes. E medo.  Gritei muito ( devo ter assustado o hospital todo, passei o dia seguinte pedindo desculpas às enfermeiras pelo escândalo) e tive vontade de desistir ( como?).  Quis mudar de posição, tentei  ficar de quatro, não rolou e então me ofereceram a banqueta. Aceitei, colocamos dentro da água e me senti mais confortável . O médico me garantiu que na próxima contração o Otto nasceria e de repente a cabecinha saiu. Me sugeriram que o tocasse. E  foi engraçado, pois sempre que via esse momento nos vídeos eu pensava: “jamais terei coragem de fazer, muita aflição”, mas eu o fiz. Senti a cabecinha e os cabelinhos, e aquilo me deu uma vontade enorme de pegar meu filho nos braços! Pedi ajuda ao médico, veio mais uma contração e ploft! Às 8h05 ele nasceu! E estava ali, nos meu s braços. Lindo, saudável, natural. Abracei-o, cheirei-o, só faltou lamber! Coloquei-o no meu seio, ele tentou pegar o mamilo, mas eu estava completamente esgotada e queria deitar. Saímos da banheira ainda ligados pelo cordão umbilical, deitei na cama e ele então mamou. Impressionante como a pega foi naturalmente perfeita! Só então eu me dei conta: eu havia conseguido o parto dos meus sonhos! E meu filho estava ali comigo, de onde não saiu nunca mais.  Todos os procedimentos foram feitos com ele no meu colo ou do meu lado. Alguns minutos depois a placenta saiu, e o cordão umbilical foi cortado por um relutante Juliano. Minha família estava completa! E eu também!

Quero agradecer muito a toda equipe da Casa de Saúde, ao cuidado das enfermeiras, à segurança do médico (Dr Rogério), ao suporte físico e emocional proporcionado pela Helena, minha doula, e o apoio incondicional do meu companheiro, marido e amigo, Juliano. E a compreensão da família, que em nenhum momento questionou minhas escolhas ! É com imensa emoção e alegria que escrevo esse relato. Do MEU parto, literalmente. O parto que eu desenhei, sonhei, visualizei e consegui. Que seguiu tudo que pedi no plano de parto sem que eu sequer precisasse entregá-lo a alguém ( não conseguimos imprimir e fomos sem mesmo).  Gratidão imensa!

%d blogueiros gostam disto: