Arquivo | Saúde RSS feed for this section

As seis lições da doença e o poder da autocura

26 fev

Image

Somos todos curandeiros (as)! Incluindo você caro leitor (a). A palavra curandeiro, em geral, tem uma conotação negativa do Brasil. Acreditamos que somente alguém com um diploma e muitos anos de estudos tradicionais pode curar alguém (e olha que sou filha de dois médicos e os admiro mais do que tudo nessa vida…). Felizmente, as terapias holísticas e alternativas vem provando, por meio de pesquisas científicas, o poder e a eficácia de modalidades como reiki, florais, passes, yoga, alimentação natural, meditação, oração, etc… Vou além e afirmo que você tem a capacidade de autocura e de ser um veículo de cura para alguém que necessite.

Assisti um vídeo fantástico da China mostrando “médicos médiuns” fazendo um tumor maligno desaparecer em uma senhora somente com o poder da mente deles. Um ultra-som mostrou o tumor diminuindo até desaparecer conforme eles sintonizavam-se com o corpo da paciente e simplesmente enviavam pensamentos e energias de que o corpo dela estava curado, forte, e não continha nenhum tumor. Eu pessoalmente conheço uma pessoa que só curou leucemia após usar alimentação natural (principalmente sucos de espinafre e cenoura), meditação e pranayamas (exercícios respiratórios) que foram passados para ela por meio de um amigo que recebeu as instruções do guru dela (que morreu faz 3 anos) via meditação e sonhos. Hoje ela está curadinha, apesar de os médicos afirmarem que ela só teria mais 6 meses de vida…

A energia, o movimento corporal e a alimentação são fatores primordiais para se manter saudável e para a cura natural. No fim, tudo se resume a energia. O que você “carrega” nos seus pensamentos são energias, porque ativam seu cérebro, seus hormônios e neurotransmissores (afetando seu corpo e estado mental). O que você come é energia (literalmente, a comida vira energia no corpo e te mantém vivo – logo, você é o que come – muito cuidado!!). Mover o corpo é mover a energia dentro de você, que geralmente fica estagnada (gerando doenças) caso não seja ativada por meio de exercícios. Esse é o recado bem simplificado de como manter-se saudável!

A seguir enumero exemplos de aprendizados que pessoas que se curaram (por auto-cura ou até mesmo medicina tradicional) geralmente experienciam:

1)      A Fé na capacidade de cura. Fé inabalável – daquela que mesmo quando a mente começa a temer o futuro, você respira fundo e mantém no seu coração (que sabe bem mais do que a mente) a crença de que está curado e saudável!

2)      A Busca por entender qual é a lição a ser aprendida com a doença. Toda doença física se inicia no campo energético/mental e tem algum recado para nos dar. As lições podem ser variadas, tais como perdoar alguém (ou nós mesmos),  passar a confiar na nossa capacidade e força, servir como exemplo, ajudar pessoas com o mesmo desafio, mudar o rumo de nossas vidas, praticar paciência, entrega, etc…

3)      A Entrega ao Divino. Não importa sua religião ou crença, geralmente as doenças abrem nossos corações para a crença e confiança em algo maior e nos entregamos a essa força divina.

4)      A Mudança na visão do mundo. Quem sofre de alguma condição física geralmente, no decorrer do processo de cura, passa a enxergar a vida de forma diferente, apreciar cada momento, abrir o coração para ser ajudado (a), entender que tudo tem seu tempo…

5)      A Mudança no estilo de vida. Outra característica é a mudança de rotina, carreira, alimentação, cuidado com o corpo, modo de ser relacionar… Não conheço ninguém que se curou e não fez mudanças radicais em algum aspecto de suas vidas…

6)      A Gratidão. Não tem jeito, quando estamos doentes entendemos como somos abençoados por um corpo pefeito que, em geral, é muito saudável. A gratidão em casos de doenças sérias vem em vários aspectos da vida e são um reconhecimento dos pequenos presentes que a vida nos oferece diariamente e que só quando a “realidade” sai dos trilhos conseguimos enxergar… Enxergar o quanto o caminho era florido e passamos a dar valor a cada flor, cada aroma, cada sorriso, cada pessoa em nossas vidas, cada carinho, cada pausa que entra no nosso dia.

Espero que lendo esse texto não esperemos por uma doença para aprender tudo isso. O processo de acordar para nossa essência divina, nosso poder de autocura, nosso verdadeiro eu, acontece de forma muito mais saborosa quando feito sem dor, sem sofrimento. Um terapeuta querido costumava me dizer que podemos aprender pelo amor ou pela dor. Também espero que, assim como eu tenho trabalhado para escolher cada vez mais aprender pelo amor, você faça o mesmo! Beijo no coração e Namastê queridos curandeiros!!

 

Anúncios

No Baile da Vida

19 set

Eu sei, eu sei. Estou sumida… Peço desculpas. A vida tem me carregado na sua melodia única, que tem sido bem agitada ultimamente. Mas aqui estou, com o coração apertado de saudade desse blog. Tenho tantas idéias, inspirações, mas a “realidade” ou a “rotina doida” corta meus pensamentos pela metade e não consigo concluir meus planos literários. No entanto, hoje me dei uma folguinha para dedicar tempo a você querido leitor (a)!

Como você tem passado?  O que tem feito? Como tem se sentido? O que tem sonhado ou aprendido? Estamos em um momento tão único… Não, não acho que o mundo acaba em dezembro, mas te garanto que as mudanças planetárias estão acontecendo em velocidade máxima. Vejo isso na minha vida e na vida de amigos e queridos. Você tem sentido também?  Você tem enfrentado alguma dificuldade que parece nunca largar do seu pé?  Você tem lidado com algo que vem te incomodando há tempos e você não entende por que não consegue resolver? Se você respondeu sim para uma dessas perguntas, ótimo! É hora de fazer a faxina no armário da alma e jogar fora aquilo que não te serve mais.

Eu tenho enfrentado vários desafios. Voltei para a terapia e tenho encarado meus medos e fantasmas como há muito tempo não fazia. Estou desenterrando defuntos pra poder cremar e deixar as cinzas irem embora e nunca mais me limitarem. Estou jogando na minha cara minhas fraquezas, desculpas, inseguranças, erros, pra fazer delas meus guias de cura. Curar o quê? Alma e mente meus caros! Agradeça cada problema que aparece na sua vida, pois  ele é seu passaporte para o crescimento espiritual e psicológico. Agradeça cada pessoa que te irrita, magoa, desanima, pois ela é um espelho do que existe dentro de você e precisa ser resolvido. No início do ano, 2012 chegou e gritou aos quatro cantos: “Não tem escapatória cambada, é hora de mudar”!!!

E com a mudança vem a beleza de saber que somos todos estudantes curiosos da mágica da vida. O importante agora é encontrar as suas armas para lidar com os desafios. Entre as minhas está a dança. Isso mesmo, a dança! Deixei a yoga (ou asanas, a parte física da yoga) um pouco de lado para mergulhar no mistério da dança livre, aquela sem coreografia ou sem necessidade de ser bonita. Ela pode parecer desajeitada, errada, engraçada, encabulada, ou ser agressiva, energética, sensual, emocionada. A dança muitas vezes é uma prece e eu tenho feito da minha dança um ritual de gratidão e de entrega. A dança me faz transcender. Aqui nos Estados Unidos, aulas e eventos que usam a dança como veículo terapêutico e de transformação têm se multiplicado. São homens e mulheres, de todas as idades, deixando o corpo falar. E é uma das coisas mais lindas de se ver. Em uma palavra: LIBERDADE!

E nela, na dança, deixo de ser meu ego, deixo de ser minha mente, me entrego ao processo. Meu corpo é inteligente o bastante pra mover-se sem comando. Meu corpo segue meu coração e o resultado é o encontro com o vazio. É como se a mente hibernasse por algumas horas. É o meditar dançante. Ou a dança meditativa. É o se deixar levar. É o entregar e confiar. Tenho me amado mais quando danço.  Tenho descoberto um pouco mais sobre quem sou ao final de cada ritual. Tenho tido uma conversa diferente com Deus cada vez que a música começa a tocar e entrego meu corpo a uma espécie de catarse da alma. Dançando me sinto genuína, inteira, íntegra. Me sinto corajosa, guerreira, selvagem. Me sinto pura e quieta. Me sinto em paz!

E você? Quer dançar comigo? Beijo dançante e Namastê!

Envelhecer com Dignidade: você consegue?

13 jan

Você é daquelas (ou daqueles) que compra todo creme novo que promete milagrosamente remover as rugas do seu rosto? Ou já está planejando, ou realizando, aplicações de botox pra manter tudo up? Ou economizando dinheiro pra fazer aquela recauchutada (mama-barriga-quadril)? Bem, estou segura que você não está sozinha (o) nessa empreitada, mas gostaria de conversar hoje sobre a arte de envelhecer com dignidade (não que o citado acima retire a dignidade… depende de você). Estou inspirada para falar sobre esse assunto por dois motivos: primeiro porque vivemos em uma sociedade obcecada por jovialidade e totalmente sem noção no quesito envelhecimento (o que faz com que Ana Maria Braga, Hebe, Marisa (Lula) e Vera Fisher pareçam a mesma pessoa). Segundo, porque passei alguns dias com minha mãe e fiquei mega orgulhosa de ver como ela está envelhecendo com tranquilidade e inteligência.

Comecemos pela realidade da situação: envelhecer é fato, não tem como fugir. Saiu da barriga da mãe, respirou, já está envelhecendo!!! O processo de morte das células e de “desaceleração” das atividades do corpo que nos “mantém jovem” é inegável, principalmente se você passou dos 30, como eu. Então, porque tentar negar, bloquear ou remediar algo que vem de dentro da gente? E mais! Caro leitor (a), sejamos honestos: de nada adianta se entupir de cremes se você fuma, bebe, come fritura, carne, doces (esse eu como vai, ui ui…), não se exercita e, principalmente, passa o dia xingando terceiros ou reclamando da vida!

Se você quer retardar o envelhecimento, te passo a receita mais quente do momento (e comprovada por vários cientistas): alimente-se muuuito bem, faça atividade física diariamente e, acima de tudo, esteja de bem com a vida! Estresse é o pior fator de envelhecimento e para esse não existe creminho não!!! Toda vez que você xinga alguém, reclama da vida ou tem pensamentos negativos, seu corpo libera hormônios que aceleram o envelhecimento! Então tá combinado: começou o drama, pare na hora e pense nas rugas filha (o)!!! Funciona que é uma beleza!

E procure atividades que retardem o envelhecimento! Claro que vou fazer a propaganda básica da meditação e yoga né! Um dos professores de yoga mais famosos do mundo é o brasileiro Dharma Mittra. Ele tem 73 anos e vou te falar que o que ele faz com o corpo eu estou longe de fazer viu! Yoga e meditação provocam o efeito contrário do estresse no corpo, ou seja, liberam hormônios que combatem o estresse e o envelhecimento! Melhoram a circulação, a capacidade cardíaca, a elasticidade dos músculos e da pele. São uma benção, como gosto de falar.

Encerrando com minha mãe. Perto dos seus 62 anos, ela tem mais energia do que eu tenho, um corpo super em forma e uma luz interna e externa que poucas vezes vi em mulheres da idade dela. Por que? Por vários motivos: ela se alimenta muito bem (come, em media, 3 tipos de frutas e vegetais diariamente), se exercita constantemente (pilates e caminhada), e está de bem com a vida! É claro que ela também usa os creminhos mágicos (by the way, eu também uso viu!), mas seu contentamento interno é que faz o efeito. Nunca a vi reclamando que está ficando velha, saudosa do seu corpo nos velhos tempos, exagerando na maquiagem ou bijuteria pra parecer mais nova, ou nada do tipo. Ela segue íntegra, digna, sabendo que sua beleza existe em cada fase da vida. É um exemplo de vida e um orgulho muito grande pra mim! Observe sua relação com o tema envelhecimento. Questione a necessidade de seguir as regras e valores de uma sociedade de consumo vazia. E faça do seu envelhecimento seu maior presente, pois não existe nada como o efeito calmante da maturidade! Beijo no coração e Namastê!

Dia 11 – de volta pra casa e o medo da vida mundana

20 out

 Bom dia Winnie!

Bom dia Hummingbird (passarinhobeija-flor em inglês, e meu apelido durante meu retiro de 10 dias em silêncio aprendendo a Meditação Vipassana)!

Foi bom levantar e poder dizer bom dia pra minha roommate! A escuridão ainda tomava conta do céu e a lua cheia nos banhava com sua luz prateada. Me arrumei rapidamente. Pontualmente às 6 da matina eu estava sentadinha no meu colchonete e com um sorriso no rosto me entreguei a última meditação do curso. Apesar da conversa estar liberada, não podíamos falar no Dhamma Hall, onde o silêncio é sempre lei. A hora passou rápido e no final da meditação escutamos, pela última vez, a voz de Goenka nos dando algumas dicas de como manter a prática diária, nos parabenizando pela coragem de nossa iniciativa e nos desejando muitas felicidades e Metta (amor em Pali).

Saí da sala emocionada. O combinado era tomar café, fechar as malas (que todas arrumamos na noite anterior) e ajudar a limpar todo o complexo Bangu, refeitório e o Dhamma Hall, pois um novo grupo chegaria na próxima quarta-feira. O café tinha todo o “restodontê” dos dias anteriores: sopa de quinoa, cookies, brownies, e tudo mais de gostoso. Até pipoca! A mulherada comeu alegremente e falamos do nosso medo de enfrentar a “realidade”. Para os textos Indus antigos, e para vários livros de mestres atuais, a única realidade é aquela que nunca muda. Nunca mesmo.

Então, o que é real? Seu trabalho muda o tempo todo, você (seu corpo e sua mente) muda o tempo todo, a natureza, o dia, as pessoas, mudam o tempo todo… Então, o que é real “Jisuuuis”??? Caros amigos, para os sábios e gurus de ontem e de hoje (como Eckhart Tolle, Deepak Chopra, etc) a única coisa real é sua alma, e todas as outras almas, pois elas são constantes e imortais… Fogo, revólver, acidentes, nada consegue destruir a alma, ou espírito, que é eterno e reencarna pra quem é de reencarnação ou vai para o paraíso (ou céu) pra quem é de céu! Logo, pode relax total com o resto porque tudo isso aqui, essa vida, sua casa, sua bolsa Louis Vuitton que você dividiu em 12 vezes, suas celulites, seu carro que já está ficando velho, seu time que perdeu o campeonato, são todos irreais!!!

Fácil falar né! A questão é (e você deve estar cansado (a) de me ouvir falando isso): apenas com a meditação, apenas com a experiência e ir além dos seus pensamentos e das suas sensações, é que você vai experienciar o que estou relatando e aí sim passar a dar muuuuuito menos valor a tolices como se descabelar por não ter a bota da moda, ou por ter levado um fora federal do(a) ex, por não ter o iPhone 4S-plus-mega-hyper… Você saberá (saberá mesmo, não só intelectualmente) e sentirá que além de tudo isso existe o que é real e isso é uma libertação maravilhosa e profunda!  Você conhecerá profundamente seu ego e reconhecerá quando ele estiver limitando sua vida, tentando te fazer pensar que certas coisas são mais importantes do que realmente são… Plus, bebidas, Maconha, LSD, Ayuasca, tudo isso é bobagem: a grande viagem, a grande onda, a grande visão, a grande paz, o grande relaxamento, vem mesmo com a meditação! A melhor das drogas  (droga no sentido de alterar seu estado mental de agitado – o estado mais comum em que vivemos – para um estado profundo de relaxamento e consciência elevada). Sacou?

Bom, voltando ao último dia: tirei algumas fotos do retiro e resolvi (como boa brasileira que sou) entrar escondidinha no Dhamma Hall pra tirar uma foto da sala mais energizada que já conheci e que acolheu minha meditação e meus pensamentos selvagens! Gente, uma coisa muito bizarra aconteceu: as fotos simplesmente não saíam… Bolas de luz embaçavam a foto, apesar de não ter luz forte, umidade ou nada do tipo que pudesse causar esse efeito. Senti que o recado era “Querida, esse lugar é sagrado e não foi feito pra ser cartão postal”.  A energia era muito alta e por isso as circunferências de luz, olhando melhor, parecem até ter profundidade, como se fossem auras. PS: a foto acima não é a do meu Dhamma Hall, mas é a do Dhamma Hall em algum outro centro Vipassana pelo mundo. Nossa sala era mais aconchegante, mas os colchonetes e a simplicidade da sala são os mesmos da minha. PS2 aqui: um mês antes de ir para o retiro eu estive no Brasil e fui dar uma volta na mata fechada do sítio do meu Pai. Andando no meio da mata eu conversei com os espíritos da mata (tá, sou meio doidinha, mas tudo bem) e pedi pra eles me darem um sinal de que existiam por meio das fotos que eu ia tirar. Saí tirando foto de galhos, folhas, etc. Caros amigos, em duas fotos que tirei próxima à uma árvore gigante, as mesmas bolas de luz do Dhamma Hall apareceram (menores, mas estão lá)!! Só posso creditar que a vida é muito
mais mágica e especial do que podemos imaginar!

Desisti das fotos. Voltei pro refeitório e comecei a limpar. Sou virginiana, então já viu né! Limpei até a alma do lugar!!! Definitivamente mora uma Amélia dentro de mim! Ah, esqueci de contar: o professor me chamou pra lembrar que eu não estava autorizada a ensinar Vipassana. Disse que claro, nem me sinto pronta. Na vida, eu acredito, a gente tem de dominar o melhor possível aquilo que ensinamos, e eu só estava (e estou) começando a explorar essa técnica. Depois da sessão faxina fui pegar meu celular, carteira, chave do carro… – era a vida mundana de volta… Peguei minha mala. Beijei e abracei todas as minhas colegas de encarceramento. Lasque-se a regra do não tocar ninguém! All we need is Love people, vamos abraçar!!!

Entrei no carro. Olhos marejados. Liguei pra minha mãe pra dizer que estava viva e tudo estava bem. No alô dela eu já estava chorando, as lágrimas corriam, mas aguentei firme pra não assustar ela né! Essas experiências intensas enchem o coração de amor e ficamos bem mais sensíveis que o “normal”.  Depois liguei pro meu irmão, mais lágrimas! Ele me perguntou se eu já tinha me iluminado, se tinha batido um papo com Buda, etc. Meu irmão sempre consegue dizer as coisas mais hilárias sobre minha jornada espiritual, principalmente porque não entende muito, mas adora opinar e tirar sarro. Eu acho um barato. Assim rio do que ele e as pessoas que não entendem muito podem estar pensando, ou julgando, dos “yoguinis-hippies-pé-sujos” como eu! PS: eu gosto de tomar banho e não mudo não!

Liguei o carro e saí na estrada de terra rodeada de árvores enormes próximas ao retiro. Quando alcancei o asfalto liguei o rádio. Onze dias sem música foram meu recorde. Curiosamente Bon Jovi tocava na única rádio local não-country. Apesar da música ser meio brega (olha o julgamento aí gente) não poderia ter caído melhor:

“It’s my life
It’s now or never
I ain’t gonna live forever
I just want to live while I’m alive
(It’s my life)
My heart is like an open highway
Like Frankie said
I did it my way
I just wanna live while I’m alive
It’s my life”

Realmente, assim como Bon Jovi (hehe), eu sou uma pessoa que vivo minha vida, cada dia mais, seguindo meus princípios (e não os da sociedade). Cada vez mais, graças a Deus, me esforço para ser autêntica e seguir meu coração, independente do que os outros pensam,
julgam, esperam de mim ou me recomendam. Realmente meu coração está aberto, como nunca antes. Realmente o importante é viver o agora, viver a sua vida (e não a vida dos seus amigos, vizinhos, colegas de trabalho ou celebridades que você passa horas seguindo em Twitter ou sites de fofoca). Realmente o que importa é o agora. É esse momento. É essa vida. Sua vida. Respira fundo, olha ao redor, sinta seu coração batendo. Você é único (a), esse momento é único. E ele é todo seu. Lágrimas seguiam correndo no meu rosto, o carro deslizava pelas estradas centenárias da Georgia. No rádio e na minha mente: “It’s my life”…

Beijo no coração e muuuuito Metta pra vocês. Namastê.

Lista 2011: reinventando sua vida

3 jun

Eu sempre digo nas minhas aulas de Yoga (as matutinas) que toda manhã é um novo recomeço e nela podemos mudar absolutamente tudo na nossa vida. Existe uma moda de viola muito antiga, que é cantada pelo Almir Sater, que eu amo e diz: “Amanhecer é uma lição do Universo. Que nos ensina que é preciso renascer. O novo amanhece” (acho até que já escrevi isso aqui). Pra mim funciona como um mantra! E, já que estamos exatamente no mês 6 e pique da renovação, que tal refazer aquela lista do início do ano com as suas intenções e promessas de mudança?

No calendário Maia o ano novo começa apenas em Julho (dia 26 se não me engano), logo, mais um motivo para renovar seus votos de mudança, repensar, mudar o que for necessário e seguir em frente fazendo o melhor para levá-los adiante e alcançar seus objetivos. Tudo nessa vida começa com intenção! A intenção move a energia para que possamos alcançar o que queremos, logo, cuidado com o que vc deseje (e pensa). Só para complementar, Deepak Chopra sempre diz “Intenção tem poder organizador”!!  Divido aqui com vocês alguns dos quesitos da minha nova lista de intenções (não todos)!! Faça a sua e divida aqui com a gente! Beijo no coração e Namastê:

1)      Não checar meu e-mail e/ou Facebook antes de meditar pela manhã.

2)      Não comprar o pacote de cookie de chocolate com pedaços de chocolate branco do Publix (supermercado ao lado de casa) ou brownies com o frozen de vanilla toda vez que tiver ansiosa. Comer mais frutas e verduras.  

3)      Ler o máximo possível e anotar partes importantes dos livros.

4)      Não ter mini-surtos toda vez que algo novo acontecer na minha vida. Estar aberta para o novo!

5)      Escrever, ao menos, um post por semana para o blog.  = )

6)      Ajudar e servir ao menos uma pessoa todos os dias!

7)      Perdoar, entender e empatizar (essa palavra existe? se não existe acabei de inventar!) com todos aqueles que me ferem ou magoam. Saber que nada é pessoal.

8)      Trabalhar minha paciência e flexibilidade.

9)      Voltar sempre para o momento presente.

10)    Escutar meu coração.

11)    Desligar Internet e TV após 21h.

12)   Aceitar e confiar que tudo o que chega até mim é para o meu bem e para o meu aprendizado, sempre.

13)   Lembrar que nada nessa vida é para sempre.

14)   Agradecer, agradecer, agradecer.

PS: eu adorei a foto, pois é um amanhecer e o barco (pra mim) simboliza a humanidade… Estamos todos no mesmo barco, em busca das mesmas coisas, remando juntos!

Somos todos Tensos-Compulsivos

5 maio

Se você conhece bem uma dessas sensações: ombro tenso, garganta seca, estômago queimando, testa franzida, pescoço dolorido, constipação, lábios pressionados, coluna cheia de pequenos nódulos, insônia, irritabilidade; seja bem-vindo (a) – você faz parte do Grupo Não-Anônimo Tensos Compulsivos (GNATC). Vivemos em um mundo onde para “ser alguém (de “valor”)” temos de estar constantemente tensos. Sim, porque se você está relaxado meu amigo, você não está trabalhando o suficiente, ou não está realizando nada que lhe traga posses, títulos, poder ou notoriedade. Se você está relaxado, companheiro, você é um vagabundo!

Exagerei? Não acho não. Entramos em um vício louco de nos estressar continuamente para poder provar pra gente mesmo (e, principalmente, para os outros) que somos alguém, que temos valor… Exemplo? Desespero nos primeiros dias de férias. Alguns pensam que vão perder o trabalho quando voltar das férias (porque a empresa percebeu que pode viver muito bem sem sua presença); outros perdem sua identidade, pois se vêem somente como trabalhadores, e por aí vai. Criamos essa idéia coletiva de que para se trabalhar (ou estudar) bem, para atingir algo, tem de ser com muito estresse, muita tensão, muito drama, caso contrário não é tão importante.

E quem paga o preço caro leitor? Você! Isso mesmo, com essa idéia maluca que a sociedade criou e você aceitou e acatou total, você está destruindo não só sua sanidade mental, mas também seu corpo físico. Doenças crônicas, doenças do coração, diabetes, câncer, pressão alta, tendinite, os famosos piripaques sem diagnóstico, gastrite, etc, todos eles agradecem seu estresse. E, até onde eu sei, tensão e estresses não são garantia de riqueza, poder e glória. Mas são garantia de visitinhas periódicas ao médico! Oh se são!

Se você acha que você só está atingindo algo ou sendo alguém quando você está transbordando de estresse, cansaço e tensão, é hora de começar a rever seus conceitos. Quanto mais estresse, mais bloqueamos as energias do nosso corpo e, principalmente, as energias da vida. E está mais que provado que relaxamento aumenta criatividade, memória e funções executivas do seu cérebro, o que significa que você tem uma capacidade muito maior de racionalizar problemas e encontrar soluções inovadoras na vida e no trabalho.

Uma ditado muito antigo diz que “Felicidade é o estado de total relaxamento”. Eu concordo total (mas assumo que tenho minha carteirinha do GNATC, apesar de estar tentando me “desfiliar” dele)! Então, tente RELAXAR enquanto você vive seu dia. Respire fundo muitas vezes sempre que um desafio novo aparecer. Quando respiramos profundamente e lentamente estamos ativando nosso Sistema Nervoso Parassimpático, responsável pelo relaxamento.

Ele também guarda nossa energia para momentos onde ela realmente é importante. Ele ainda ativa nossos hormônios sexuais, regula os hormônios do sono, libera hormônios rejuvenescedores, acalma o coração, a pressão, melhora a digestão… Enfim, quanto mais você ativá-lo, mais você estará sexualmente satisfeito (a), mais jovem, mais relaxado (a), mais magro (a) e dormindo muito como um anjinho. Quer coisa melhor? Ah, e sem querer fazer muita propaganda: ele também é ativado durante a yoga,  meditação, massagem, reiki!

Então é isso. Reveja seus conceitos e veja o quanto essa tensão/estresse tem te ajudado. Caso não esteja ajudando, reveja sua rotina, sua visão sobre o mundo, sua visão sobre você mesmo! Mude seus hábitos, mude seus pensamentos e, consequentemente, mude sua vida! Lembre-se, você é o responsável por sua realidade! E torná-la mais leve e agradável é de total responsabilidade sua! E vamos todos cancelar nossa filiação com GNATC!!! Beijo grande e Namastê!

Do divã para a academia (ou o colchonete): a terapia da atividade física

21 fev

Encaramos toda e qualquer atividade que fazemos  da mesma forma que encaramos nossa vida. Se você acha seu trabalho penoso é porque provavelmente também encara a vida como difícil e repleta de problemas. Se você acha estudar um pé no saco, provavelmente você vê o aprender como algo não importante na sua vida… Não seria diferente com as atividades físicas que você escolhe fazer: elas dizem muito de você e de como você encara sua realidade. Se você é criativo, provavelmente vai adorar dançar. Se gosta de aventura, escalar, rapel, arvorísmo são seus preferidos… Se tem muita energia para por pra fora, correr ou artes marciais são uma maravilha! Focando na atividade física, o importante é passar a ter consciência dessa ligação e usar ela a seu favor… Como? Senta que lá vem história!!

Tenho mais facilidade em explicar minhas teorias usando minha experiência, então lá vou eu falar de yoga novamente! Yoga significa união, ou melhor, unir seu corpo, sua mente e seu espírito e alcançar a auto-realização por meio dessa união. Muitos não sabem, mas a prática física da yoga, as posições (ou Asanas em Sânscrito), são apenas um dos braços dessa filosofia de vida. Os asanas existem principalmente para preparar o seu corpo para meditar, removendo energias bloqueadas e permitindo que você possa ficar confortavelmente sentado por horas!! Infelizmente, a parte física da Yoga ficou mais famosa que os outros 7 braços dela, no entanto, mesmo focando apenas nesse aspecto é possível aprender e desenvolver sua consciência!

Como? Bem, durante uma aula de yoga você vai encarar a prática exatamente como encara sua vida: se você tende a ser preguiçoso (a), provavelmente fará o mínimo esforço possível durante os exercícios, esperando ansiosamente pelo relaxamento final. Se você é distraído (a), vai passar a aula toda no seu mundo da fantasia e não vai nem lembrar quais foram os exercícios que você fez durante a aula. Se você é mega disciplinado (a), vai se dedicar totalmente, contraindo mais músculos do que precisa, tendo o rosto tenso, fazendo mais esforço do que o necessário… E por aí vai.

O lado bom dessa história toda surge quando você toma consciência do que precisa mudar na sua vida (para ser mais feliz) e começa a aplica essa mudança nos pequenos detalhes, como na sua atividade física! Logo, se você não quer mais ser preguiçoso, você passará a realmente fazer o esforço físico e trabalhar seu corpo durante a aula. Se você é distraído, vai se dedicar a ficar concentrado na aula e não deixar-se levar pelos devaneios mentais. Já o disciplinado vai permitir-se relaxar e não levar tão a sério sua prática, abrindo espaço para a flexibilidade.

Para mim, a prática hoje tem um sentido bem diferente do que tinha. Eu pratico os exercícios físicos muito menos pelo aspecto físico (que são lindos de ver, mas não garantem que ninguém será mais feliz fazendo-os) e muito mais para o meu auto-conhecimento. Sinto meu corpo, observo meus pensamentos, me entrego à respiração e vou descobrindo mais e mais quem sou… Eu trago para minha prática aquilo que preciso e quero fomentar na minha vida. Também passei a ofertar minha prática a Deus. Sim, meus caro, eu ofereço minha prática a ele (ou ela, ou o que quer que você acredite), praticando a entrega… Pois, quando entregramos, eliminamos o ego, expectativas e julgamentos. Tudo flui melhor e nos aceitamos muito mais… Claro que não é sempre que consigo, mas sigo praticando. Para mim, os asanas são uma forma de busca do meu eu mais profundo e divino.

Faço o convite para você fazer o mesmo com sua atividade física preferida, seja ela qual for! Tente sair do convencional e aplicar nela aquilo que você quer trazer para os outros aspectos da sua vida!! Além de ser divertido, irá te dar uma nova percepção de quem você é e de como você encarar a vida! Depois me conta como foi! Beijo e Namastê.

Carne: comer ou não comer? Eis a questão!

21 set

 

     Não pretendo levantar protesto contra os carnívoros, nem propagar as delícias de uma fraldinha bem feita. Comer ou não carne tem sido um tema constante na minha vida. Não me considero vegetariana, pois não gosto de rótulos, não deixei de comer carne 100% e o rótulo me tornaria uma pessoa “caga-regras” (desculpe a expressão) que eu não admiro nem pretendo ser. Mas, a pergunta ainda segue comigo: comer ou não comer carne?

      Desde o ano passado meu consumo de carne diminuiu drasticamente. No início, não foi intencional. Com a meditação passei a não desejar carne e, quando me dei conta, fazia meses que não comia (vermelha principalmente). Carne de frango foi fácil parar de comer: aqui nos Estates ela é gorda, sem gosto, cheia de conservantes e hormônios. A pobre galinha/frango americana sempre nasce e morre morando no mesmo cubículo e vive com uma luz ligada na cabeça dela o dia todo para comer sem parar e engordar logo. Terrível…

      Mais tarde  me comprometi a ser uma pessoa pacífica – fiz um voto de não violência – evitando ao máximo qualquer tipo de violência, seja ela física, verbal ou mental. Com isso, para mim comer carne significa sim ser conivente com o assassinato de um ser vivo… E, pare para pensar: você está comendo um pedaço de carne morta que, se não fosse pra geladeira, apodreceria rapidamente. Com diz meu professor de Yoga: “abra sua geladeira e se depare com CADÁVERES!! Você está sendo conivente com uma matança”. Ele pegou pesado, mas falou a verdade. E, quem come cadáver todo dia vai se tornar o que? Um cadáver minha gente!

      Para aumentar o paradoxo da minha vida aqui vai uma ironia do destino: meu pai cria gado de corte! No entanto, nunca entramos em conflito! Ele me respeita e eu o respeito, cada um tem sua caminhada! E, ao contrário de muitos, meu pai trata seus bois e vacas tão bem quanto gente! Vivem em campos abertos e são bem cuidados, ele passa a noite acordado cuidando de bezerro doente se preciso, chama todos pelo nome, adora vacinar e ter certeza de que estão felizes e saudáveis, enfim, um amor lindo de ver!

      Só para finalizar, ainda tem a questão energética: podem tentar me convencer do contrário, mas nada tira da minha mente os milhares de hormônios de estresse que a pobre vaca/galinha/peixe solta em seu corpo no momento da morte e toda a energia de medo que ficou ali, grudada à carne. Enfim, tantas “emoções”… Mas, apesar de tudo isso, porque eu não consigo definitivamente parar de comer carne?

      Pois dois motivos: primeiro, porque meu corpo (meaning, minhas células) tem desejo intenso de carne de 3 em 3 meses. Quando digo intenso é intenso mesmo, ao ponto de eu sonhar que estou degustando um churrascão!! E é totalmente corporal, pois não sinto o desejo mental… Segundo, porque pela segunda fez em menos de um ano me encontro anêmica e fraca. Por mais que tente me cuidar, fica difícil seguir uma dieta nutritiva o bastante, principalmente quando não se tem empregada nem comida nutritiva e de fácil acesso no país do fast food.

      Logo, de vez em quando (geralmente de 2 em 2 meses), como um cadinho de peixe ou carne vermelha por 1 ou 2 dias. Mas é fato: a evolução espiritual (que se desenvolve bem mais rápida sem o consumo de carne), o voto de não violência e o amor incondicional aos animais me faz sentir culpa (talvez seja o único momento em que eu realmente sinta culpa por algo) ao ingerir carne. Então, o que faço? A pergunta eu faço para você caro leitor/amigo? Quem sabe sua sabedoria ilumina meu caminho e traz a resposta que estou buscando!! Deixe suas idéias aqui e saiba que sempre vou respeitá-las! Beijo e Namastê!

Amanhecer é uma lição

15 jul

56504147, Jude Maceren /Stock Illustration Source

     Como você começa o seu dia? Você acorda sorrindo ou de cara fechada? Quais são seus primeiros pensamentos? Quais são suas primeiras atividades ao sair da cama? Esse longo post  vale a pena ser lido pois está cheio de dicas para você começar o dia com muita tranquilidade e contentamento. E com corpo e alma limpinhos limpinhos. Sugiro que você comece incluindo uma técnica por vez na sua rotina matinal, observe o resultado e me conte, claro!

      Primeiro é importante dizer que sempre fui uma mal-humorada-matinal-crônica. De acordo com minha mãe, desde quando éramos bebês, eu acordava chorando e meu irmão acordava sorrindo. Eu me lembro perfeitamente de querer, literalmente, enforcar o pobre para fazer ele parar de cantar alegramente na mesa de café-da-manhã. A felicidade dele era um insulto pra mim. Mas as pessoas mudam minha gente! E hoje minha mãe e meu irmão agradecem minhas mudanças!

      Para dar uma contextualizada, na Índia muitas pessoas acordam antes mesmo do sol nascer e iniciam uma rotina que as ajudará a manter o equilibrio e a sintonia com o dia. Elas acreditam que, ao acordar antes do sol, elas tem o poder de criar e transformar seu dia no que quer que elas queiram. Genial, não?! Geralmente a rotina inclui exercícios respiratórios, posições de yoga, meditação, pujas (rezas para suas divindades preferidas), abhyanga (auto-massagem ayurvédica com óleo), kriyas (ações de purificação do corpo) e um café da manhã bem natural. Parece muito, mas se você estiver em pé às 6 da matina, às 7:30 você já estará tinindo para o resto do dia! E não só pronto como totalmente equilibrado e calmo. Quer coisa melhor que isso?

      Eu acordo geralmente às 7 da manhã. A primeira coisa que faço é sorrir e cumprimentar o dia! Sim, parece ridículo, mas eu não ligo! Falo “Bom dia dia”, agradeço por mais um dia que começa e já me coloco no “Polyana mode”! Tomo um copo bem grande de água. Se você tem intestino preso eu indico um copo com água morna… pode aquecer uns 30 ou 40 segundos no microondas e tomar. Gente é uma maravilha para regular o intestino e ajudar na eliminação! Não indico limão na água, pois, de estômago vazio, o limão é ácido demais e pode até causar azia ou queimação. Fique com a águinha morna que já é eficiente.  

      Na sequência, vou escovar os dentes e limpo minha língua com um limpador de língua que você deve encontrar em farmácias ou lojas de produtos naturais. Com ele você dá leves raspadas na superfície da língua. Uma massinha branca bem nojenta vai sair da sua língua. Desencana! Ela se chama Ama, em Sânscrito, e se refere às impurezas (das comidas) que seu organismo não conseguiu digerir e que ficaram já alí na língua. Então, deixa de nojo e tira as impurezas fora. Você vai sentir a boca bem mais limpa e refrescante depois. E seu hálito (namorado, marido, amigos e afins) agradece!

      Na sequência eu faço a técnica de limpeza kriya Neti. O Neti é um potinho tipo a lâmpada de Aladim que você coloca água e metade de uma colher de café de sal marinho e você limpa suas narinas com essa mistura. O bico do Neti vai entrar em uma das suas duas narinas e você vai virar a cabeça de lado de modo que a água escorre pela outra narina. Faça o procedimento nas duas narinas. Sim, parece bizarro, mas é a melhor solução para desintupir nariz e eliminar de vez gripes e sinusite da sua vida. Faz mais de um ano que não tenho mais nada afetando minhas vias respiratórias. Não é das organizações Tabajara não, mas eu garanto que funciona! Pode fazer todo dia que sua sinusite e gripes vão sumir. Após usar o Neti só lembre de colocar uma gota de óleo de amêndoa dentro das narinas, porque a água com sal resseca a pele do nariz. (Vídeo com instruções de uso do Neti: http://www.youtube.com/watch?v=j8sDIbRAXlg)

      Seguindo em frente: meditação! Sento por 30 minutos e pratico minha meditação tradicional. E a meditação, ao meu ver, é a técnica mais importante da rotina. Ao final da meditação sempre falo (mentalmente) minhas intenções para o Universo. Tudo aquilo que quero realizar, tudo o que quero para minha vida e para esse planeta em que vivemos. Depois faço algumas afirmações, ou seja, repito frases que vão gerar uma mudança no meu padrão de pensamento e me fazer pensar e agir de acordo com minhas intenções. Por fim, agradeço tudo o que tenho e desfruto, agradeço por mais um dia e peço proteção e orientação divina pra seguir o dia de acordo com o que tenho de aprender e viver. Ah, e entoo o mantra OM para finalizar a prática.

      Após a meditação eu faço a kriya Nauli, que me ajuda a desintoxicar o estômago e os intestinos, ajudando muito na eliminação. Recomendo para todos e, principalmente, para quem tem intestino preso. Demora um cadinho para dominar a técnica, mas comece dobrando levemente os joelhos, curve sua coluna para baixo, mãos nos joelhos. Expire todo o ar pra fora do corpo e então comece a contrair o máximo que puder o abdomen e soltar em seguida. Faça isso ao menos 10 vezes. Inspire novamente, expire todo o ar e repita mais 2 vezes as 10 contrações. Essa técnica massageia todo o sistema digestivo. É um santo remédio, como diria minha avó. (Vídeo com instruções de Nauli muito boas: http://www.youtube.com/watch#!v=ewhkG4lluDE&feature=related)

     Depois disso tudo (que leva aproximadamente uma hora) estou pronta para o que der e vier! Estou aberta para os desafios e as boas surpresas do dia. Me sinto calma e conectada com o Universo. Aí tomo um banho gostoso e faço a abhyanga com hidratante corporal mesmo. Em seguida tomo um café da manhã (sempre agradecendo cada alimento que como) escutando uma música relaxante. Nada de TV ou notícia da desgraça alheia logo de manhã. Por fim, vou realizar as atividades do dia com muita tranquilidade e contentamento. Espero que as dicas ajudem. Como disse antes, não tente começar tudo junto! Tudo o que é radical dura pouco… Vá incluindo aos poucos. Boa sorte e Bom dia! Namastê!  

      E para terminar, o pedacinho de uma das minhas músicas preferidas, “Raízes”, do Renato Teixeira:

 “Amanhecer é uma lição do universo.
Que nos ensina que é preciso renascer.
O novo amanhece”!!!!!

Silêncio: do medo à criação

8 jul

Silêncio. Essa simples palavra pode significar paz para alguns e angústia para muitos outros. Angústia, você pergunta? Sim, angústia, pois causa medo. Medo do silêncio. Você já reparou que sempre estamos agindo de forma a eliminar o silêncio do nosso cotidiano? Ou estamos conversando com alguém pessoalmente, ou ao telefone, ou temos o som ligado ou a televisão. E, não raramente, estamos em um ambiente onde todos esses elementos estão concorrendo juntos. É uma festa para os cinco sentidos.

Mas, por que temos medo do silêncio? Muitas podem ser as respostas e eu sugiro que você busque a sua (e me conte depois, claro). Para muitos, estar em silêncio significa não estar fazendo nada e o não fazer nada significa ser inútil e a idéia de não ser útil (mesmo que por algumas horas ou minutos) traz uma enorme sensação de vazio. Podemos dizer que a famosa frase do pensador Descartes “Penso, logo existo” foi atualmente modificada para “Faço, logo existo”. As pessoas agem freneticamente na tentativa de provar que existem e que tem valor. Aqui nos Estados Unidos esse “way of life” é gritante. Eu brinco que estamos nos robotizando…  

Outro motivo de se evitar o silêncio é a necessidade que temos de provar que estamos sempre certos. Não permitimos que uma pessoa termine uma frase… Temos de complementar algo, dizer que sabemos mais do que acabou de ser dito, provar nossa erudição. Lamento dizer, mas essa atitude é um desrespeito e, com isso, muitas vezes fazemos o outro pensar ou sentir (mesmo que inconscientemente) que o achamos burro. Consequentemente, cada vez mais as pessoas nos procurarão menos para conversar sobre o que realmente importa. Estaremos limitados aos diálogos vazios, banalidades, atualidades.

O médico David Simon, co-fundador do Chopra Center na Califórnia e autor mundialmente conhecido, costuma brincar que ele “prefere estar bem do que estar certo”. O que significa que quanto mais escutamos, silenciamos e aceitamos o que o outro nos fala, mais estaremos o respeitando e nos conectando em um nível mais profundo. De que adianta “estar certo”, mas em desarmonia com as pessoas ao nosso redor? Além de agir muito, estamos em um estado de reação constante, ou seja, mesmo que não estejamos correndo perigo ou sendo desacreditados, estamos sempre reagindo em nossas conversas e gastando energia desnecessária.

No mestrado em psicologia que faço aqui, uma das primeiras coisas que aprendemos é a importância do silêncio. Aprendemos que o silêncio pode revelar muito sobre o nosso cliente e sobre nós mesmos. Aprendemos a importância de se tolerar e aceitar o silêncio e de encontrar nele respostas muito mais valiosas do que 50 minutos de conversa. Estar em silêncio significa estar confortável consigo mesmo. Aceitar suas idéias, seu modo de viver, sua existência como um todo. Estar em silêncio significa fazer uma pausa para escutar nossa alma, nossa inteligência maior, que muitas vezes fica esquecida em meio ao mundão doido de pensamentos da nossa mente. Pense nisso!

O silêncio também é o berço da criatividade, do inusitado, da potencialidade para criar o que quer que você queira pra sua vida. Por que? Porque é somente por meio dele que conseguimos escapar dos padrões de pensamentos e ações que perpetuamos roboticamente. O silêncio é a semente do novo. Todas as religiões concordam que antes da criação do Universo o que existia era um grande silêncio, um grande potencial. E após o primeiro som (big bang para os não religiosos, a palavra para os católicos, Om para os Indus) é que toda a criação do Universo se desencadeou. Mágico! Então, comece sempre pelo silêncio!

Paro minhas palavras por aqui, afinal, já pensei e falei mais do que devia!!! Te convido a experienciar o silêncio e me contar como foi! Escolha um lugar bem tranquilo, sente-se confortavelmente, feche seus olhos e escute o silêncio ao seu redor. Escute o som do Universo. Coloque toda sua atenção no barulho (ou a ausência dele) ao seu redor. Se quiser também pode focar sua audição nas batidas do seu coração. Mantenha apenas esse sentido funcionando: o da audição! Escutando o silêncio você escuta sua alma. Namastê!

%d blogueiros gostam disto: