Tag Archives: amizade

Saudade das minhas amigas

25 fev

Com o passar do tempo, passamos a sentir mais saudade de coisas pequenas. Tão pequenas e cotidianas que um dia acreditamos ser eternas, garantidas, vitalícias.
O que eu teria feito se alguém me dissesse, 10 anos atrás, que num sábado de madrugada eu sentiria meu coração doer de vontade de encontrar minhas amigas?
Ou que então eu não saberia dizer onde qualquer uma delas estava passando sua noite?
Eu provavelmente riria, e explodiria em um discurso sobre o quanto eu tinha certeza que jamais me afastaria delas, sempre saberia seus passos e os acompanharia.
Mas com o passar do tempo…
O improvável vira estatística.

O nunca vira talvez.

E a maior parte de suas verdades desaparecem, ou se transformam.
Eu, hoje, sinto saudade das minhas amigas.
Da nossa convivência diária, dos segredos compartilhados, da ausência de julgamentos.
Da maior tolerância, do menor senso crítico. Da efemeridade das brigas.
Saudade de nos trocarmos juntas, uma maquiando a outra. Dos armários partilhados.

Do sol nos surpreendendo no meio da noite. Do som alto no carro tocando Legião, Ben Harper ou Smashing Pumpkins.
Das descobertas mútuas. Das cagadas anunciadas, dos fins de noite memoráveis.
Saudade.
De um tempo bom que não volta mais.
Saudade de tudo aquilo que eu- graças a Deus- vivi!

 

*Postado originalmente no falecido blog Meu Novo Cotidiano, também num sábado,  no dia 08 de março de 2008

Anúncios

Saudade de vocês

2 fev

Existem pessoas que fazem amizade com extrema facilidade e trocam de melhor amigo como quem troca de calça jeans. Sem drama, sem estresse, sem culpa. Eu não. Malemá troco de calça jeans ( costumo usar a mesma por anos a fio), imagine de amigo. Via de regra, quem entra na minha vida é para ficar, até porque não abro as portas para qualquer um. Eu demoro a me apegar e quando acontece, quero que seja para sempre. 

Sou chata, me irrito fácil, tenho pouca – ou nenhuma- paciência, mas sou uma amiga presente, interessada e costumo divertir quem convive comigo. Nem que seja para rir do meu mau humor. Sou uma boa aglutinadora de pessoas, sempre consigo reunir vários amigos de uma só vez.

Mas confesso que tenho preguiça de fazer novos amigos. É um defeito grave, eu sei. Mas só de pensar em começar tudo de novo, ter que ensinar até as coisas mais básicas ao meu respeito, não é algo que me dê muito ânimo de fazer, por isso me esforço para manter as amizades que já tenho.

Então, se você aí ficou meu amigo ( de verdade) nos últimos 15 anos, saiba que por mais distante que estejamos, seja qual for o motivo, eu ainda te considero um amigo. Até mesmo você, que foi meu padrinho de casamento, não me deu presente, nem parabéns e simplesmente sumiu da minha vida. Eu ainda te amo e sinto sua falta viu? Ou você que ainda não conheceu meu filho por pura preguiça, é só me ligar para botar o papo em dia e em dois minutos fica tudo perdoado.

Tem também você, com quem só converso pela internet e com muito menos frequência que desejaria. Você mora no meu coração e me faz uma falta danada.  E vocês, que moram do outro lado do mundo e preferem colocar os amigos que moram no Brasil dentro de uma gavetinha, para não sofrer muito de saudade. Também amo vocês. Ah, e você que foi mãe mais nova do que todas nós e aprendeu cedo como os filhos podem mudar nossa vida, quando nos encontramos é como se nenhum um dia tivesse passado, porque ser amigo é isso aí.

Com a idade e a bendita maturidade, aprendi que nem sempre é possível manter contato com pessoas queridas. Mas ainda acredito que as pessoas entram em nossas vida por algum motivo, para ensinar, aprender ou compartilhar algo. E me dói quando preciso deixá-las partir. Mas algumas  pessoas vão e vem, fazer o quê?

Vinícius e amigos

28 jul

Vinícius cercado de amigos

Neste final de semana finalmente arrumei um tempo para ver o documentário sobre a vida de Vinícius de Moraes, filme de Miguel Faria Junior. Como era de imaginar, o documentário – que mistura depoimentos, imagens de arquivo, interpretações de canções e narração de Camila Morgado e Ricardo Blat – é uma delícia. Daqueles que valem a pena ter em casa para rever quantas vezes tiver vontade.

Autor da frase mais genial sobre amizades : “Você não faz amigos, os reconhece”, Vinícius era um aglutinador de pessoas, estar cercado de gente era condição inerente a seu ser. Colecionou amizades ao longo de sua existência e sem elas não vivia, não era inteiro. Suas casas chegaram a ser chamadas “casas abertas”. Olha que coisa mais linda! E seu parceiros de trabalho eram amigos de uma vida. Os relatos de Chico Buarque, Edu Lobo, Maria Bethânia, Tonia Carrero, Toquinho ( e outros) transbordam emoção e saudade. Bonito de ver.

Isso corroborou a minha tese de que nada na vida é mais importante do que ter bons amigos. Deixem- me explicar: Família é sim essencial para mim. Meu filho é a coisa que mais amo no planeta sem sombra de dúvidas e não imagino mais a minha vida sem ele, idem para meu marido. Mas tem muita gente por aí feliz da vida solteiro e sem filho. É uma opção de vida válida. Agora não conheço ninguém, mas ninguém mesmo, que exista sem ter ao menos um bom amigo. Os amores vão e vem. Os filhos são do mundo. Os bons amigos são para sempre.

Eu não faço amizades com facilidade, mas as que tenho tendem a durar o resto da vida. E também não tenho amizades recentes, acho que a última é de pelo menos 10 anos. Tenho um número bom, suficiente, e um cardápio variado que torna minha vida mais interessante, mais rica e mais fácil de viver.

Amigas de infância, que conheceram seu avô que morreu há trocentos anos, toda sua história e portanto vão lembrar quando você disser que encontrou o Fulaninho que era o maior gato na época da escola e agora virou um gordo careca. Não tem preço você dispensar apresentações, pois a pessoa sabe exatamente o que você está querendo dizer. Dessas eu tenho um punhado e não abro mão jamais.

Tem amigas que sabem o que você está pensando até de costas. Ou por duas linhas que escreveu no msn. Há aquelas que você encontra raramente, mas quando acontece é como se não houvesse passado nem um dia. São amigas de todos os tipos, para todas as ocasiões. Tem uma que é a melhor companhia na balada, topa tudo, animada. Sair com ela é garantia de diversão, mesmo que seja para dar a volta no quarteirão. Tem outra que é ideal para ficar louca com você, beber todas, quebrar tudo. Quando vocês extravasam juntas, não tem pra mais ninguém. Tem aquelas que coincidentemente estão sempre passando pelo mesmo momento de vida, então são horas e horas de desabafos mútuos e risadas de alívio diante da constatação de não sermos únicas.

Há também uma amiga que é perfeita para os assuntos do coração. Com ela você fala todas as bobagens que lhe vem a cabeça sem medo dela usar isso contra você no futuro, quando você mudar de ideia. Tem as amigas que te inspiram a ser uma pessoa melhor. Essas você tem que manter a todo custo, elas são essenciais para a sua evolução como ser humano.

Amigas, esse post é dedicado a todas vocês, que me suportam, me colocam pra cima, me ensinam, me dão bronca e fazem parte de mim! Amo vocês!

Soneto do amigo

Vinícius de Moraes

Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica…

Vinícius e seu parceiro e amigo mais conhecido, Tom Jobim

Nós três

14 jun

O que une você aos seus amigos? Infância, profissão, hobbies? É impossível determinar quando uma amizade começa, mas é fácil determinar porque ela segue unindo duas, três, muitas pessoas. São pequenos detalhes, são experiências partilhadas, são palavras de carinho, são as sinceridades que praticamente ninguém teve coragem de te falar, é o estar presente quando você precisa.

O jornalismo foi o que nos uniu há mais de dez anos na louca São Paulo. E também foi ele quem nos separou há oito anos, onde acabamos cada uma em um canto do mundo, literalmente. No entanto, nossas afinidades nos mantiveram unidas e a comunicação continuou intensa, principalmente por meio de e-mails quase diários que chamamos de boles (derivado de boletim!).

Era difícil prever que a amizade de três mulheres absolutamente diferentes pudesse se fortalecer com toda a distância. E foi exatamente o que aconteceu.  Desnecessário dizer que essas três somos nós né? Fabiana, Flavia e Lívia.

Com o passar dos anos, nossas singularidades acabaram por nos complementar e já não sabemos mais como seria nossa vida sem essa amizade virtual e real. O que temos de diferente usamos para agregar, aconselhar, apresentar uma nova perspectiva.

Escolhemos esse blog para compartilhar com você um pouco do nosso lado jornalístico e também do nosso cotidiano. São três nortes: a Fabi mora em São José do Rio Preto, cidade pulsante do interior de São Paulo, mas que ainda mantém muitas peculiaridades de cidade do interior. A Flavia segue em São Paulo. Ela é nossa conexão com que o que “há de mais moderno” na maior cidade do país. A Lívia atravessou o Atlântico e foi parar em Miami, cidade que ela mesmo define como “quase Estados Unidos”, por conta dos milhares de imigrantes, principalmente latinos, que lá vivem.

Aqui é nosso novo espaço de difusão de ideias, sentimentos, textos, dicas culturais, esportivas e de bem-estar e sobre o  meio ambiente. Acreditamos que informação é a ferramenta mais poderosa de transformação. Acreditamos que podemos aqui, em algumas linhas, acrescentar algo de positivo em sua vida. E, acima de tudo, acreditamos que este é um espaço de troca e que iremos aprender muito com seus comentários e feedbacks.

Obrigada pela sua atenção e sejam bem-vindos!

%d blogueiros gostam disto: