Tag Archives: Ivete Sangalo

Estrela

12 dez

Axé não é meus estilo de música favorito. Se eu tivesse uma lista de estilos favoritos o axé sequer apareceria nela. Mas eu não tenho uma lista. Enfim, tudo isso para dizer que este post será de certa forma sobre esse determinado estilo musical, apesar de eu não apreciá-lo especialmente.

Ontem á noite eu fui a um show da Ivete Sangalo em Rio Preto. Eu adoro a Ivete, mesmo não tendo nenhum cd dela. Porque tem artistas que são assim, te encantam e te arrebatam por sua simples existência e é disso que quero falar. Desse tipo de estrela de primeira grandeza. Porque você pode não gostar de axé como eu, você pode até não gostar da Ivete, mas você vai concordar comigo que a mulher é um arraso.

Enquanto eu aguardava o início do show-festa (open bar- top) fiquei observando as pessoas que estavam ali como eu e tentando definir o que é exatamente uma diva da música. De uma coisa eu não tinha dúvida, eu estava prestes a ver o show da maior cantora nacional da atualidade. Como a gente percebe estar assim diante de uma estrela de primeira grandeza? Pelo público. Alguém que consegue levar para um show-festa , que começou mais de meia-noite, pessoas da idade dos meus pais ( a turma inteira de sessentões foi), mães lactentes com filhos recém-nascidos, casais desanimados que geralmente só saem para jantar, empregadas domésticas que jamais pisariam num recinto de exposições em outra situação e jornalistas metidas a besta que acham ter o mínimo bom gosto musical, só pode ser uma estrela – e das grandes.  O público de 18 mil pessoas gritando o nome da cantora não me deixa mentir.

Então o show começa. E ela entra. Aí se alguém ainda duvidava da grandiosidade da artista, pagou a língua no mesmo momento. Presença de palco, de espírito, bom humor e um carisma que seriam capaz de elegê-la presidente em primeiro turno. E não é só isso, ela é muito boa no que faz.  Pré-conceitos à parte em relação ao tipo de música. Ela tem timing, tem uma puta voz, a banda que a acompanha é bem talentosa. Eu, que já gosto dela de graça mesmo, acabei cantando todas as músicas, pulando que nem uma louca e perdendo uns três litros de suor. Não havia muita diferença  fã mais dedicada dela ( que compra todos os cds, dvds, etc, etc) e eu.  Entende o que quero dizer? Musa/ diva, é isso. Diante delas somos todos fãs de carterinha.

Eu me arriso aqui a dizer que ela tem tudo que precisa para se tornar uma estrela pop internacional. Só precisava cantar outro tipo de música…

Anúncios

Você nasceu pra quê?

5 nov

Você sabe qual é sua função aqui na Terra? Eu nasci para ajudar! Como posso ter certeza? Porque nada me oferece mais realização pessoal e conexão com algo superior (e divino) do que os momentos em que estou ajudando o próximo. Segundo a filosofia oriental, e entra aí Yoga e Ayurveda, todos nós nascemos com um objetivo de vida, com alguma (ou algumas) capacidade especial onde temos uma maneira única de expressá-la. Nos sentimos muito mais completos quando descobrimos nosso Dharma, ou, em Sânscrito, propósito de vida! Você sabe o seu?

Além de ser o seu propósito de vida, seu Dharma também é a maneira que você tem de ajudar a humanidade! Exagero? Claro que não! O Dharma da Ivete Sangalo é cantar e trazer alegria para seus fãs. O Dharma do Senna era correr e trazer o exemplo de disciplina, determinação e esperança para os brasileiros. O Dharma de um garçom é servir seus clientes com amor e receber respeito e consideração de volta. O Dharma de uma decoradora é trazer beleza e harmonia para as casas. O Dharma de um profissional de TI é criar ferramentas que facilitem a vida dos trabalhadores… Eles todos  encontraram seus propósitos de vida e por isso sentem-se (ou sentiam-se) realizados. 

Seu Dharma também pode ser um hobby e não sua principal profissão. Exemplo: você adora pintar quadros e dar suas pinturas de presente (embelezando casas); ou você ama cozinhar e reunir amigos e família (criando tardes ou noites especiais). O importante é descobrir o que te oferece um intenso prazer e satisfação. Tipo, aquilo que você simplesmente perde a noção do tempo quando está fazendo! Pode ser uma ou várias coisas, mas esteja certo que só você sabe fazer essa coisa de forma tão especial e ela é, de alguma forma, um serviço para a humanidade (no sentido micro e macro).

Quer saber como descobrir seu Dharma? Comece observando quais são as atividades que você mais gosta de fazer! As que você esquece do tempo! Atividades onde você produz algo ou divide seu tempo com alguém e sempre tem como resultado satisfação para você e para o outro! Por mais boba que ela possa parecer, estou certa de que é benéfica a você e a mais alguém e isso basta!! O mais interessante é observar que, quando estamos cumprindo nosso Dharma, a vida se torna mais leve, mais fluída e gostosa de viver! (Como nesse exato momento, onde estou escrevendo esse texto e expressando outro Dharma que se une ao principal de ajudar)Mas não se pressione! Estamos todos aqui em busca do nosso Dharma e muitos levam décadas (ou outras reencarnações) para descobrir!

Eu recebi a benção de saber que adoro ajudar! Não importa como, mas principalmente servindo como uma boa ouvinte e como uma espécie de guia onde, munida com meus conhecimentos, ajudo a pessoa a se reconectar com sua inteligência maior, aquela que vem do coração, da alma, e lhe traz de volta o equilíbrio e a alegria genuína! Sei que posso ajudar usando diversas ferramentas, como Yoga, meditação, Ayurveda, os florais que faço tanta propaganda, ou com muita conversa! Sei também que cada um tem seu tempo (inclusive eu!) pra crescer e florescer! Estamos todos no mesmo processo de auto-conhecimento e crescimento! E essa é a mágica e beleza da vida! 

Seguir meu Dharma me dá energia, curiosidade, alegria e paz interna! Peço diariamente para que minha vida seja guiada por meio dele e sei que ela é! A dica está dada então! Observe o que te dá muito prazer e contentamento e observe como nesses momentos você é muito mais que um ser humano: você sente-se (e é) um ser espiritual vivendo uma experiência humana! Essa é outra dica MEGA importante: somos, na verdade, seres espirituais tendo uma experiência humana e não humanos em busca de experiências espirituais! Te confundi? Ótimo! Pense a respeito! E siga seu Dharma! Beijo no coração e Namastê!!

%d blogueiros gostam disto: