Tag Archives: sao paulo

São Paulo: a cidade onde posso tudo

28 set

Fala aí se essa foto não é perfeita?

Estou aqui sentada no mesmo lugar que escrevi o primeiro post do meu primeiro blog, quase 10 anos atrás. No mesmo apartamento.

Engraçado, toda vez que venho a São Paulo faço uma questão quase doentia de passar por aqui. Nesse pedacinho da região da Paulista, da alameda Campinas até o Shopping. É como se eu olhasse para os lados e pudesse me encontrar logo ali, andando. São Paulo me desperta uma puta saudade de mim mesma. Quero re-experimentar as sensações que eu tinha. Os cheiros, gostos, sabores.

São Paulo me inspira de um jeito.  Quero ver tudo e todos, mas também quero ficar sozinha. Porque aqui eu não fico sozinha, eu fico comigo. E dá vontade de me trancar num quarto com vista para o prédio vizinho,bem cinza,  e ficar quatro dias escrevendo, sem dormir. E depois dá vontade de viver a vida intensamente.

E nem posso dizer que quando morava aqui era a pessoa mais feliz do mundo. Não era. Eu era bem instável, bem perdida. Mas eu não me desesperava,  porque eu podia tudo. Em São Paulo a gente tem essa sensação, de poder tudo. Então eu nem tinha muita pressa em arrumar o emprego dos meus sonhos,  escrever meu livro,  ir àquela peça de teatro. Porque cada amanhecer trazia um dia novo e cheio de oportunidades. Todas as oportunidades do mundo. Então, ter pressa para quê? Eu não vou sair daqui mesmo.

Só que eu saí. Fui embora. E foi assim, de repente. Quer dizer, eu decidi mudar, e dali duas semanas recebi uma ligação dizendo: você tem que mudar segunda-feira. Então eu já não podia mais tudo. E foi bem difícil acostumar.

Aí você se pergunta: por que diabos você não volta para São Paulo ?

E eu me fiz a mesma pergunta recentemente. E levei a questão ao meu marido. Consideramos a possibilidade. E me bateu pânico. Pois é, pânico. Deixa eu tentar explicar. É como se o amor da sua vida reaparecesse depois de anos, querendo casar com você. Justamente quando você tivesse desencanado, e estivesse bem feliz , e com outro. É uma analogia meio tosca, mas para mim é perfeita.

Então ficamos assim, São Paulo e eu: vivendo nosso caso de amor mal resolvido à distância.

Não vamos mudar para cá. Afinal, estou feliz. E com outro.

Anúncios

Meus cinco lugares no mundo

19 nov

Acho que todo mundo tem ao menos um lugar em que se sinta a pessoa mais feliz e abençoada do mundo apenas por estar ali. Um local para onde você voltaria mil vezes se possível, onde se sente acolhido, integrado e grato. Pode ser a casa da sua mãe ( a da minha entraria fácil para essa lista), uma cidade que você visitou quando tinha 15 anos, a praia em que você passa todo verão há décadas, o lugar da sua lua-de-mel. Pode não ser o lugar mais bacana do planeta, mas é o SEU lugar. Listo aqui os cinco lugares para onde eu fugiria se nada desse certo na minha vida ou para onde eu iria quando quisesse comemorar.

Barcelona – Espanha – Paseig de Gracia

 

Não dá vontade de estar aí?

 

Em outra vida eu nasci catalã. Os poucos dias que morei em Barcelona me transformaram por completo. Pode parecer exagero ( e eu sei que sou mesmo exagerada), mas neste caso não é.  Juro! Sabe o que é morar numa cidade que te abraça? Ter um sorriso no rosto 24 horas? Se apaixonar por cada canto? Pois é. Tenho uma série de lugares que amo na capital catalã, escolhi  o Paseig de Gracia porque é sempre o primeiro lugar que quero ir. Bem movimentada, cheia de tipos incríveis, barzinhos servindo tapas e rodeada pela arquitetura alucinante do Gaudí. Dá pra ir a pé para as Ramblas. Se eu estiver em BCN um dia e você quiser me encontrar, passa lá! 

 

Maresias- Litoral Norte de São Paulo

 

 

O canto direito era mais sossegado e com o pessoal mais cool de Maresias

 

 

Durantes anos Maresias era o destino certo do meu final de semana. Chuva, sol, frio, calor. Ir para lá era a recompensa por viver na loucura da paulicéia, ganhar mal ( por incrível que pareça sempre fui mal remunerada em SP) e pegar engarrafamentos homéricos para chegar à praia. Faz muito tempo que não vou ao Litoral Norte. E sei que aquela Maresias do final dos anos 90 já era, mas tenho saudade. Especialmente da praia e da sensação boa que me invadia quando eu a avistava da rodovia. Ai, essa saudade doeu!

 

São Paulo- Avenida Paulista

 

Do Masp até a Brigadeiro eu sou capaz de fechar os olhos e descrever cada centímetro da avenida

 

 Nasci em São Paulo e voltei para lá pra fazer faculdade, ao todo morei 9 anos na capital. Fui embora totalmente no impulso e se pudesse ter raciocinado com a cabeça- e não com o coração- certamente ainda moraria lá. Com toda a poluição, violência, trânsito, frio e distanciamento entre as pessoas. São Paulo é a minha casa e sempre será.  Morei, estudei e trabalhei na região da  Paulista. A avenida mais famosa do Brasil é meu spot favorito. Mesmo que eu esteja apenas passando por Sampa, sempre dou um jeito de pelo menos almoçar praqueles lados ( sou viciada em um vegetariano perto da Brigadeiro).

Morro do São Paulo – Bahia – Ruínas do Forte

  

Um pedacinho de história no paraíso

 

A última vez que estive em Morro já faz mais de uma década. Imagino que depois de todo esse tempo as coisas estejam bem diferentes. Mas naquela época a ilha ainda era um lugar de difícil acesso e pouca infraestrutura. Um dos lugares mais lindos que já vi. E diante de tantas belezas naturais fui me encantar bem pelo cantinho onde há ruínas de civilização. Vai entender.

 

Rio de Janeiro – Mirante do Leblon

Quem pensa em problema olhando isso aí?

 

Quem me conhece já está cansado de ouvir eu declarar meu amor pela cidade maravilhosa. Nasci no lugar errado, com certeza. E ainda não excluo a possibilidade de morar lá um dia. O Rio é todo lindo e á uma puta falta de sacanagem ter que escolher um lugar só. Na época que tentei morar lá  o mirante do Leblon é para onde eu ia recarregar minhas energias, tomando uma água de côco e olhando essa paisagem digna de novela das oito.

São Paulo e eu: uma história de amor

3 ago

Meu lugar favorito de São Paulo : avenida Paulista

Eu nasci em São Paulo e fui criada em Rio Preto. Voltei a morar lá aos 18, para fazer faculdade. A relação começou difícil. A cidade feiosa e cinza demorou a me conquistar. De início eu fugia sempre que podia. Até que um dia, de forma meio sorrateira, me vi apaixonada. E o amor foi recíproco. A gente se entendia, ela me acolhia. Suas ruas, mesmo sujas, me traziam sensação de “lar doce lar”. Eu fui descobrindo seus segredos, seus cantinhos privilegiados. Seu mau humor expresso em forma de congestionamentos e violência não me afetavam. Eu não tinha carro nem medo. 

Então criamos uma relação sólida, duradoura. Aquilo seria amor eterno. Eu aceitava seus defeitos, ela aceitava os meus. Ela me oferecia tanta coisa, o mundo ao meu alcance ( e praias a 100km) e não pedia nada em troca ( talvez um pouco de respeito e cidadania). E me deixava livre para ser quem eu quisesse ser. Era um casamento perfeito. 

Mas eu sou volúvel. Acabei me apaixonando por outra. Fiquei enloquecida e quis mudar para lá. De repente o cinza ficou too much for me. Eu queria todas as cores, especialmente o azul esverdeado do mar de Ipanema. E pra lá me fui. Seduzida pela malandragem e malemolência cariocas. Obviamente era uma relação fadada a não vingar. Paixão fulminante, mas pra durar só um verão. Fiz minhas malas e voltei, com o rabinho entre as pernas. 

São Paulo me recebeu de braços abertos. Consciente de suas limitações, aceitava essas escapadelas sem grandes traumas. No entanto a insatisfação se instalou de forma crônica dentro de mim. Pensava em formar um família e morar num lugar cheio de verde, sem trânsito, viver um comercial de margarina todos os dias. Eu não tinha forças para abandoná-la sozinha, mas encontrei um louco que me ajudou a fugir. E novamente fui embora, quase sete anos atrás. 

Que separação difícil! Tanto tempo depois ainda me dói cada despedida, me alegra cada reencontro. Parece que foi ontem. A imensidão de prédios e concreto é o único lugar em que eu me sinto perfeitamente inserida. E que me inspira a correr atrás de todos aqueles sonhos impossíveis. Lá não sou mais nem menos. Sou mais uma e sou única. Sou eu!

%d blogueiros gostam disto: