Tag Archives: séries

As melhores séries do momento

5 nov

Não escrevo há séculos, eu sei… Não tenho tido muito tempo ocioso e quando tenho, acabo assistindo séries. Nesse ano acompanhei 20 delas, isso mesmo, 20. Resolvi então  listar aqui as que mais valem a pena! Quem sabe assim vocês me perdoam pelo sumiço?

GREY´S ANATOMY

Imagem

É a série que vejo há mais tempo, estou tão envolvida que não tenho mais condições de julgar se ainda é boa mesmo ou se já deveria ter terminado. Sei que choro quase todo episódio e a trilha musical me faz descobrir bandas e músicas  muito bacanas.

BREAKING BAD

Imagem

Se você ainda não assistiu, corra! A quinta e última temporada terminou há algumas semanas e posso dizer sem medo de errar que ficará na história das melhores séries ever.  Quando o letreiro começou a subir, lagriminhas nos olhos e coração apertado e feliz. Aquela sensação única ( e rara) de quando você tem certeza que viu algo histórico e se sente orgulhoso de ter acompanhado tudo. Televisão também pode ser arte, espero que vocês saibam disso! A história do professor de química loser que ao descobrir que tem câncer resolve mudar de vida e se envolve com produção e tráfico de meth acabou de ganhar o Emmy , só pra mostrar que não estou errada. E os protagonistas, Walter White (Bryan Cranston) e Jesse Pinkman (Aaron Paul) também já foram premiados. As temporadas são curtas e garanto que você não vai perceber o tempo passar!  Vai lá agora. Corra. Por favor!

 

THE KILLING

Imagem

A terceira temporada da série policial baseada em um seriado dinamarquês mostra a dupla de investigadores Sarah Linden  e Stephen Holder tentando solucionar mais um crime.  A terceira temporada foi  uma grata surpresa. Se você não tiver paciência para assistir as temporadas anteriores,  foque na terceira e te garanto que será feliz. São apenas 12 episódios nessa última e te garanto que você vai me agradecer ao final de cada um deles! Infelizmente a série só teve três temporadas, mas vale muito!

SCANDAL

Imagem

Preciso confessar  que ao ver os primeiros teasers da série eu disse a mim mesma: não verei nunca.  E só comecei a ver por motivos de: absoluta falta de outra opção ( durante o break) e por ser produção de Shonda Rhimes, a mesma de Grey´s Anatomy.  Mas a real é que  viciei master plus.  A história gira em torno de Olivia Pope  a “ consertadora de conflitos “ ( em português fica meio nada a ver esse título, mas enfim) que tem um affair mal resolvido  com o presidente dos Estados Unidos.  O romance  é o pano de fundo para a resolução dos casos que chegam até Pope. Ela e sua equipe solucionam desde acusações de estupro a sequestro de ditador. Muitas emoções! Adoro!

ORANGE IS THE NEW BLACK

Imagem

Baseada no livro homônimo de Piper Kerman e adaptada por Jenji Kohan (de Weeds), a série acompanha Piper (Taylor Schilling), uma “patricinha”  de NY que acaba presa em uma penitenciária federal  por um crime que cometeu 10 anos antes ( carregar drogas para sua então namorada, a traficante Alex, Laura Prepon de The 70’s show).  Sem qualquer experiência para lidar com o novo ambiente, Piper enfrenta uma série de dilemas e conflitos em seu novo mundo. Jason Biggs ( de American Pie) é o noivo de Piper. Série produzida pelo Netflix, altamente viciante.

REVENGE

ImagemSim, eu vejo Revenge. E muito antes de passar na Globo, tá? O drama inverossímil estrelado por Madeleine Stowe e Emily VanCamp já está na quarta temporada e continuo acompanhando sem saber direito o porquê. Acho que de tão surreal, é bom. É só não esperar muito realismo e embarcar nessa sede de vingança que tem como locação o balneário mais chique dos EUA, os Hamptons.

THE BRIDGE

Imagem

Eu assisti somente aos cinco primeiro episódios, porque né, tenho mais 11 séries pra ver, mas é bem legalzinha e vou voltar a ver assim que o midseason chegar. Baseada na série escandinava de mesmo nome, The Bridge  conta a história de um crime que ocorre em uma ponte que é a fronteira entre El Paso (Estados Unidos) e Juarez (México). Dois detetives, um de cada país, são encarregados pela  investigação.  Estrelado por  Diane Kruger e Demián Bichir . Curiosidade: a personagem de Krueger tem Aspergers.

THE NEWSROOM

Imagem

Nunca tinha prestado atenção nessa série , até pegar um voo diurno de 10 horas.  Na falta de uma opção melhor, acabei vendo metade de uma temporada de uma só vez.  E que surpresa boa!  A série de Aaron Sorkin ( de West Wing e do filme a Rede Social)  mostra os eventos de bastidores de um canal à cabo de notícias, principalmente do programa comandado por  Will McAvoy (Jeff Daniels – que só fui perceber que era o Lóide de Debi &Lóide na segunda temporada), que junto com sua equipe tenta colocar no ar um programa apesar de obstáculos pessoais, comerciais e corporativos. The Newsroom também é estrelada por  Emily MortimerJohn Gallagher, Jr.Alison Pill, Thomas Sadoski, Dev PatelOlivia Munn e Sam Waterston. Muito boa!

EN TERAPIA

Imagem

Todo mundo já deve ter ouvido falar de da versão americana In Treatment ou da versão brasileira  Sessão de Terapia . Optei por uma terceira versão, a argentina, também no Netflix. O intuito era praticar meu espanhol, mas acabei encontrando uma série de primeira! Aprendo tanto com cada episódio que quase equivale a uma sessão de terapia. Os episódios são curtinhos e nem parece que você ficou quase meia hora vendo duas pessoas conversarem! Para quem gosta de aprender sobre relacionamentos interpessoais  e quer desenferrujar o espanhol, é uma boa pedida! Recomendo!

HOMELAND

homeland-season-2-poster1

Claire Danes, que interpreta  a oficial de operações da CIA  Carrie Mathison , ganhou um Emmy de melhor atriz esse ano . Preciso admitir que a série, que  já foi irretocável nas duas primeiras temporadas, deslizou em alguns episódios da terceira e ficou difícil ter certeza que a recuperará o status de melhor série da vida . Mas o prazer em assistir permanece e confio que vai ficar tudo bem. É  (ou era?)daquelas séries que você termina sentado na ponta da cadeira e com a boca aberta!

PARENTHOOD

Parenthood - Season 4

Já falei sobre ela aqui também, série fofa que emociona,   daquelas que enchem o coração de alegria e nos fazem ter vontade de ter uns quatro filhos só pra ter uma família como aquela!

Anúncios

Minhas séries do momento

8 fev

Na absoluta falta de coisa melhor para escrever, resolvi fazer um post listando as séries que tenho assistido no momento. Não que eu ache que alguém se importe, mas esse blog é metade meu e isso me dá o poder de escrever o que eu quiser. Há.  Brincadeira. Médio. Seguinte, como eu sou uma super maníaca por séries, muita gente ( umas 3 por ano) me pergunta o que eu recomendo. Então segue aqui a minha listinha.

Gostaria de dizer que sou totalmente parcial e tendenciosa. Tenho um pouco de preguiça de ver séries novas e só faço isso se elas me forem indicadas por alguém que realmente entenda do assunto tipo a Cláudia Croitor do Legendado . Também não sou muito chegada em sitcoms ( tirando Friends) e  adoro um drama.  Acho que é isso. Divirtam-se!

GREY´S ANATOMY

A série médica está na oitava temporada e é a minha favorita há sete anos. O hospital é apenas o pano de fundo para muito drama e emoção ( litros de lágrimas). Acho as interpretações fantásticas, raríssimas vezes fiquei insatisfeita com um episódio. Para uma série se manter 8 temporadas no ar praticamente com os mesmos personagens e com críticas extremamente positivas é porque é coisa boa mesmo. Shonda Rhymes rocks! Tem o meu segundo casal preferido de todos os tempos Meredith e Shepard ( Ellen Pompeo e Patrick Dempsey). Se você tiver que escolher apenas uma, é essa! Pegue o lencinho e corra para frente da tevê ( ou computador).

BREAKING BAD

Contrariando todas as expectativas, garrei amor numa série  que fala sobre tráfico de drogas e tals. Só pelas interpretações de Walter White (Bryan Cranston) e Jesse Pinkman (Aaron Paul) ( ambos ganhadores de Emmy pelas performances) já valeria a pena. Mas além disso o enredo é bom, muito bom.  Uma das melhores coisas da televisão.  Já falei sobre ela aqui ó: Breaking Bad.

PARENTHOOD

Também já fiz um post sobre ela aqui antes Minha Nova família : Braverman. Parenthood é, como o próprio nome diz, uma série familiar.  Me emociono bastante nos episódios. É uma série fofa, daquelas que enchem o coração de alegria.

FRINGE

Depois do decepcionante final de Lost, fiquei meio arisca com ficção científica, especialmente quando J.J. Abrams está envolvido. Mas acabei cedendo aos encantos de Fringe e viciei.  Aviso: é ficção científica das brabas, do tipo que fala de universos paralelos, teorias conspiratórias e cientistas que sabem tudo sobre tudo. Então,  se você não curte muito é melhor nem se arriscar. Tem o fofíssimo Joshua Jackson, o eterno Pacey de Dawson´s Creek.  Saiba mais sobre o programe nesse post aqui ó: You Gotta Love Walter.

THE KILLING

É uma série policial baseada em um seriado dinamarquês. Basicamente fala sobre a investigação do assassinato da adolescente Rosie Larsen.  Cada nuance  e reviravolta da investigação são mostrados, além da jornada emocional dos pais da garota diante da morte e das investigações. Tudo isso debaixo do céu chuvoso e cinza de Seattle e com atores que não parecem ter saído de um editorial de revista. Gente de carne e osso. O que torna a trama mais verossímil e viciante. Por enquanto só houve uma temporada de 13 episódios e a segunda temporada deve estrear em abril.

HOMELAND

Homeland é uma série americana, baseada na série israelense Hatufim . O programa é estrelado por Claire Danes, que foi o que me atraiu. Isso e o Globo de Ouro de Melhor Drama que eles ganharam no início do ano.  Carrie Mathison (Claire Danes)  é uma oficial de operações da CIA que passou a acreditar que um fuzileiro americano, o Sargento Nicholas Brody( Damian Lewis),  recém libertado prisioneiro de guerra da Al-Qaeda, passou para o lado inimigo e agora representa um significativo risco a segurança nacional. Por enquanto só vi o primeiro episódio, mas já deu pra sentir que veio pra ficar na minha listinha. Super produção!

GOSSIP GIRL

Dá vergonha de assumir, mas sim, eu vejo Gossip Girl. O seriado adolescente mais forçado da história.  è baseado na obra de mesmo nome ( e bestseller teen) da  Cecily von Ziegesar. Assisto pra passar raiva, xingar os roteiristas e babar muito nos figurinos e no elenco. É isso. Não recomendo, mas também não consigo largar.

You gotta love Walter

12 jul

Me ausentei demais daqui. A vida real está exigindo minha presença constante e meu filho está de férias. Ou seja, preciso de um clone e ainda assim não seria suficiente. Portanto, como o ócio criativo está inexistente e a inspiração não está das melhores, resolvi fazer um post com dica televisiva.

Eu nunca gostei de sci-fi. Para terem uma ideia, nunca assisti Guerra nas Estrelas, nenhum dos seis ( são seis acho).  Não me desperta o interesse, simples assim.  Então, quando o produtor de Lost, J.J. Abrams, lançou mais um seriado eu nem tive a curiosidade de saber qual era.  Entretanto, nessa mid season ( para quem não sabe, chama-se mid season o período de ” férias” das séries principais nos Estados Unidos. É quando geralmente são lançados pilotos de séries para testes, ou séries mais curtas) por indicação de uma expert, resolvi dar uma chance à Fringe.

O seriado é sobre uma divisão do FBI chamada Fringe, especializada em investigar casos estranhos e inexplicáveis. Para  ajudá-los, os agentes resgatam de um manicômio um brilhante cientista, criador de uma ciência nada ortodoxa chamada Fringe. A série é TOTALMENTE ficção científica, não vou mentir, mas as histórias são muito bem construídas e ao contrário de Lost, tudo tem uma explicação, e ela não demora cinco temporadas para chegar. Ah,  é lógico que também tem um romancezinho no ar, que ninguém é de ferro.  Além disso, Walter Bishop, magistralmente interpretado por John Noble (Denethor de Senhor dos Anéis)é o meu personagem favorito da televisão de todos os tempos. Juro, se você não quiser nem entender os casos complicadinhos, perca ao menos alguns minutos para morrer de rir com Walter.  Estou apegada, apegadíssima.

No último mês assisti 59 episódios.  A série já teve três temporadas e a quarta deverá estrear em setembro. No Brasil você pode ver no Warner Channel. Ao lado de John Noble, Joshua Jackson, o eterno Pacey de Dawson´s Creek,   a atriz australiana Anna Torv, desconhecida até então e Lance Redddick que também fez Lost.

Eu recomendo. Abaixo um vídeo com alguns dos muitos momentos hilariantes de Walter. You gotta love Walter!

Dance it out

6 jul

 “Quem canta os males espanta”, isso já está todo mundo cansado de saber. Mas e quem dança? Para mim não há nada mais terapêutico e divertido do que uma boa dançada. É o que funciona de imediato para espantar o baixo astral. Sim, yoga funciona, meditação também. Mas nem sempre ( ou melhor quase nunca) eu tenho paciência para me concentrar tanto tempo em mim! Ao contrário de nossa amiga  Lívia Stábile, que tem conhecimento e dedicação de sobra para vivenciar e ainda nos passar ensinamentos e lições de yoga, paciência e meditação.

Eu sou ligada no 220. Impaciente, cronicamente insatisfeita, ansiosa e mal humorada. Ah, e imediatista. E há dias em que tudo isso piora!! Nesses dias nem mesmo as aulas de yoga ou a sessão de terapia ( thank God for therapy) me confortam 100%. E então eu copiei inventei minha própria terapia. Dançar.

Antigamente, quando eu era mais nova, mais solteira e com menos filhos, eu botava uma roupa de night e saía pra ferver. Uma hora na pista de dança, completamente desligada do que se passava ao meu redor, entregue ao ritmo da música e do meu corpo, me salvavam de qualquer deprê. Atualmente ando longe das pistas de dança, por N motivos que não convém agora listar. Mas continuo apostando com força no poder da dança. Em casa mesmo, com o som no talo e ninguém por perto. Nem que seja por duas músicas.

A trilha sonora varia de acordo com o estado de espírito. Há dias em que um rock anos 80 vale. Outros em que prefiro dance music. Tem dias de Lady Gaga e dias de Shakira. Acho o efeito mais perceptível se der pra cantar, berrando junto. Precisa de uma dica para começar? Dancing with myself  de Billy Idol ( quer refrão mais apropriado do que este?). E se você se sentir ridículo demais, lembre-se que não é o único adept0. No meu seriado predileto, Grey’s Anatomy, Cristina ( Sandra Oh) e Meredith ( Ellen Pompeo) já recorreram ao método “dance it out” mais de uma vez. E a cena antológica que posto aqui é do seriado My –So Called Life (obra prima televisiva dos anos 90), quando Angela ( Claire Danes) finalmente desencana de seu amor Jordan (Jared CUTE Leto) e dança pra celebrar. E vc? Tá esperando o quê?

%d blogueiros gostam disto: